Artigos Placas-Mãe

[Review] ASUS PRIME B450M-Gaming/BR

Fala pessoal, beleza?

Nesse review irei analisar a ASUS Prime B450M-Gaming/BR, que trata-se de uma placa-mãe AM4 de baixo-custo no formato mATX com 4 slots de memória, chipset B450, o que significa que temos a disposição suporte a USB 3.1, NVMe, SATA RAID e também overclock no CPU, apesar da placa não possuir dissipador no VRM.

Em relação a caixa, a ASUS manteve o mesmo design usado na PRIME B350-PLUS com uma foto da placa na frente e destaque a alguns features como M.2, USB 3.1 Gen2, software para controle dos fans e também um resumo das especificações. Também é digno de nota que esse modelo está sendo montado no Brasil e por isso todos os textos da caixa foram traduzidos para o português, o que é algo bem legal!

Do kit de acessórios, acompanham a placa: Espelho traseiro, DVD com drivers, dois cabos SATA e guia de montagem.

Relativo ao visual, a ASUS optou por um pcb preto com detalhes em vermelho, leds (que podem ser desativados) no canto inferior esquerdo da placa e um dissipador de alumínio simples do chipset.

Sobre o layout da placa, a ASUS fez um ótimo trabalho, usando slots de memória com travas em apenas um dos lados que facilitam o manuseio, M.2 posicionado acima do slot PCI-E, portas SATA que não ficam obstruidas pela GPU e por fim, os três “fan headers” disponíveis se encontram bem distribuidos, sendo dois na parte superior da placa próximos ao socket e o outro a esquerda próximo ao espelho traseiro.

Essa placa oferece seis portas SATA e um M.2, o que é razoável para uma placa de baixo-custo e também é importante salientar que não é possível utilizar as portas SATA_5/6 ao mesmo tempo que se usa um dispositivo M.2, em outras palavras, ou se usa um, ou se usa o outro. 😉

Tanto o codec de áudio (ALC887) utilizado quanto a LAN (RTL8111H) são fornecidos pela Realtek, sendo que o primeiro foi montado em uma camada isolada do PCB como é de praxe atualmente e não possui isolamento metálico contra EMI. Esses dispositivos utilizados são tipicamente encontrados em placas de baixo-custo e cumprem seus papéis de maneira bastante básica.

Sobre o espelho traseiro, temos 6 portas USB 3.X, duas PS/2 (teclado e mouse), LAN, saídas de vídeo VGA/DVI/HDMI e painel de som com 3 conectores, o que é bastante simples, porém, ainda dentro do esperado para uma placa como essa.

A respeito do VRM, a o fabricante por um arranjo de 4+2 (VDDCR+VDDSOC) fases usando o controlador ASP1106, que trata-se muito provavelmente de uma remarcação do ISL95712, os mosfets utilizados são um OnSemi 4C10N (high side) e dois OnSemi 4C06N (low side) por fase, sendo que os 4C10N suportam uma corrente máxima de 34A @ 80ºC e possuem um Tr (tempo de subida) de 26ns e Tf (tempo de queda) de 4ns, enquanto os 4C06N apresentam rds(on) @ Vgs = 10V de 4mΩ, o que é algo mediocre mas que deve ser reduzido a razoáveis 2mΩ por conta dos dois mosfets de baixa em paralelo. Nas 2 fases para o VDDSOC, são adotados os mesmos mosfets, porém, usando dois 4C10N de alta em paralelo.

Normalmente costumo apresentar os valores teóricos da dissipação de calor do VRM tomando como base os parâmetros disponibilizados pelo fabricante no datasheet dos mosfets e para isso, faço os calculos usando frequência da chaveamento (Fsw) de 300KHz, 1.4V na saída, Vgs de 10V e cargas de 50A até 150A em intervalos que são próximos a aquilo que os CPUs “reais” exigem, entretanto, a ASUS PRIME B450M-Gaming/BR apresenta duas particularidades em relação as demais placas que já testei:

  1. A PRIME B450M-Gaming/BR não possui dissipador de calor no VRM, o que implica que a corrente máxima suportada estará mais do que nunca limitada pela temperatura dos mosfets. Na prática, isso significa que a não ser que o usuário faça adaptação de dissipadores ou fan na região, certamente essa placa terá dificuldades para lidar com CPUs que demandem uma corrente maior.
  2. Essa placa permite o ajuste da frequência de chaveamento pela bios, sendo o padrão 200KHz e o máximo 350KHz, então, resolvi fazer as estimativas para 200KHz (padrão), 300KHz (valor que sempre utilizo) e 350KHz (máximo permitido). Esse parâmetro impacta diretamente no funcionamento do conversor DC-DC e se por um lado aumentar essa frequência é benéfico por diminuir o ripple na saída, por outro também aumentam as perdas de chaveamento e por consequência, a dissipação de calor dos mosfets, algo especialmente importante dado o ponto acima exposto.

Sendo assim, para uma carga de 100A (R7 2700X / R9 3900X), a dissipação de calor fica em uma faixa de 11.2W até 14.8W dependendo do Fsw, o que é bastante razoável para uma placa dessa categoria e não seria problema para o VRM caso houvesse um dissipador ao menos razoável ou fluxo de ar sobre ele, entretanto, por não ser esse o caso, desde já considero prudente utilizar essa placa apenas com CPUs mais “frugais” ou partir para a adaptação de dissipadores e fans. De todo modo, essa analise foi feita com base nos valores teóricos e mais adiante, irei lhes apresentar como essa placa se comportou com os CPUs aqui usados como referência. 🙂

O VRM das memórias é de apenas uma fase e utiliza os mesmos mosfets 4C10N e 4C06N utilizados na alimentação do CPU/SOC, o que é suficiente para essa aplicação.

Sobre a UEFI, a ASUS simplesmente adotou aquela máxima de “em time que está ganhando não se mexe” e optou por manter o excelente trabalho de interface, layout, design e usabilidade que lhe é caracteristico nesse sentido. Os ajustes relativos as memórias estão todos disponíveis, idem para o PBO, existe opção para fazer alguns ajustes finos no VRM e apesar dos ajustes de VDDCR/VDDSOC serem apenas por offset, existe uma descrição clara no rodapé dizendo sobre qual valor que aquele offset será aplicado, algo básico e que nem sempre encontramos em outras placas-mãe.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dos ajustes de tensão principais, o VDDCR (CPU Core Voltage) permite aplicar um offset de até +/-0.500V, o VDDSOC (CPU NB/SOC Voltage) também de +/-0.500V, o ajuste de tensão das memórias (DRAM Voltage) tem limite de 1.8V e também existem ajustes de VDDG e afins, o que é excelente para uma placa de baixo-custo.

Caso alguém tenha interesse, segue o link para site do fabricante, onde consta as especificações do produto. Vamos então as configurações utilizadas e resultados!

  • Configurações utilizadas:

CPU: AMD Ryzen 7 2700X / AMD Ryzen 7 3800X / AMD Ryzen 5 2600X / AMD Ryzen 5 2400G (Obrigado AMD!)

MOBO: ASUS PRIME B450M-Gaming/BR (BIOS: 2006 – Obrigado Terabyteshop!)

VGA: ASRock Radeon 5700XT Challenger

RAM: 2x8GB DDR4 G.Skill Flare X 3200CL14 / 2x8GB Crucial Ballistix LT 3200 CL16

REFRIGERAÇÃO: Watercooler custom e IC Graphite Thermal pad

STORAGE: SSD Crucial BX300 120GB

EQUIPAMENTOS EXTRAS: Termômetro digital HDT 6002.

Software utilizado: Windows 10 x64 build 1909, AIDA64 6.20.5300, TM5 0.12 v3, HWiNFO 6.24.

  • Objetivo dos testes:

O objetivo desse artigo é verificar o quão bem a ASUS PRIME B450M-Gaming/BR se sai naquilo que diz respeito a overclock de memória, testar o desempenho térmica da placa em condições de stress usando vários CPUs diferentes, visando verificar até onde é possível ir com uma placa sem dissipador no VRM e sistema de refrigeração a água no CPU.

Explicações acerca da metodologia adotada ou de como os testes foram conduzidos estão contidas nos textos que acompanham os resultados a seguir.

  • Resultados – Frequência das memórias:

O primeiro passo aqui foi testar até onde a ASUS PRIME B450M-Gaming/BR conseguiria ir em termos de overclock de memória devido ao já conhecido impacto que isso trás no desempenho dos Ryzen. Para isso, optei por usar o Ryzen 7 3800X e também o Ryzen 7 2700X para verificar o limite dessa placa usando o processador “antigo”. Como os Ryzen de terceira geração apresentam melhor desempenho enquanto usando MCLK:FCLK:UCLK em 1:1:1, conforme já expliquei em mais detalhes nesse artigo, o objetivo aqui foi verificar se essa placa-mãe da conta de chegar nos 3733MHz 1:1 com estabilidade, sendo essa um bom “alvo” para uso diário.

Dessa forma, utilizei ajustes de subtimings manuais bastante parecidos com aqueles que apresentei nesse artigo e também utilizei o TM5 para atestar a estabilidade do overclock. Com o R7 3800X, foi possível obter estabilidade no TM5 @ 3733MHz CL16 usando exatamente os mesmos ajustes do supracitado artigo, enquanto que com o R7 2700X, foi possível até carregar o SO com a RAM @ 3466MHz, entretanto, só houve estabilidade @ 3333MHz CL16, novamente, usando os mesmos timings do artigo. Esses resultados estão na média das demais placas AM4 B350/B450 que já testei por aqui e por isso os considero bastante aceitáveis.

  • VRM e temperatura de operação:

Enfim, para verificar a temperatura dos circuitos de alimentação, foi usada a FLIR One LT para fazer as termográfias abaixo após rodar o stress test do AIDA64, em suas configurações padrão, por 30 minutos enquanto o HWiNFO armazenava o log para posterior verificação. Para as termografias do VDDSOC enquanto usando o vídeo integrado do R5 2400G, rodei o Unigine Heaven DX11 em loop por cerca de 10 minutos. Para todos os testes foi mantida a configuração padrão do VRM, ou seja, frequência de chaveamento em 200KHz e LLC em “Auto”.

Também tenham em mente que esses testes foram todos conduzidos em bancada e que a temperatura “ambiente” dentro de um gabinete tende a ser maior que a temperatura ambiente de fato, o que é um detalhe importante caso alguém venha a tentar reproduzir os testes aqui realizados. 😉

Para obtenção desses resultados foi utilizado o kit Crucial Ballistix LT 3200CL16 @ XMP e abaixo é possível ver a temperatura ambiente no momento dos testes para cada um desses processadores.

  • Ryzen 7 2700X:

O primeiro CPU utilizado foi o R7 2700X, que com seu TDP de 105W e corrente próxima dos 100A, também é o pior caso aqui dessa análise. Ambos os testes com ele foram conduzidos em stock, só que um com ventilação forçada usando um fan de 131cfm e o outro sem, apenas com o leve fluxo de ar que sai dos radiadores da bancada.

E como já era de se esperar tomando por base os valores teóricos, a B450M-Gaming/BR após cerca de 8 minutos de teste já apresentava temperaturas na casa dos 120ºC no VRM para o R7 2700X em stock, só que apesar disso, o CPU não apresentou throttling, porém, considerei razoável abortar esse teste por motivos de segurança.

Apenas a título de curiosidade, ao utilizar o monstruoso fan de 131cfm, a pior leitura de temperatura caiu para bons 71.3ºC após 30 minutos de estresse, ou seja, perfeitamente seguro e até com margem para overclock! Definitivamente, economizar em um dissipador para o VRM não foi uma decisão lá muito sensata, mesmo considerando que esse modelo é uma das B450 mais simples vendidas pela ASUS. :/

  • Ryzen 5 2600X:

O próximo CPU foi o R5 2600X, que por ser um hexa-core com TDP um pouco menor que o R7 2700X e por esses motivos (especialmente o primeiro), acaba que a corrente demandada por ele também é menor que a do octa-core.

E com o R5 2600X em stock as temperaturas ficaram na casa dos 101.4ºC após 30 minutos de AIDA64, o que sem sombra de dúvidas é alto e sem margem para overclock, ao menos não sem usar refrigeração ativa, portanto, se o propósito da máquina não for fazer uso prolongado do CPU @ 100% (exemplo: renderizando alguma coisa, trabalhando com simulações, rodando Folding@Home), essa combinação de CPU+Placa-Mãe pode até ser viável sem precisar recorrer a maiores gambiarras, apesar de não ser exatamente recomendável.

  • Ryzen 7 3800X:

E agora, chegamos ao primeiro e único CPU 7nm testados nesse artigo! Apesar do R7 3800X ter o mesmo TDP de 105W do R7 2700X, a corrente demandada por esse CPU é bem menor que a do seu antecessor 12nm e apesar disso não ser lá muito intuitivo, se deve ao fato do TDP ser na verdade uma medida para os fabricantes de cooler tomar como referência no design de novos produtos, e nesse aspecto sim, o R7 3800X trabalha com temperaturas até mais elevadas que as do R7 2700X por conta da maior densidade do processo de 7nm e pelo fato do CCD ter apenas 75mm², o que dificulta um a troca de calor com o IHS resultando em maiores temperaturas de operação mesmo para um chip que consome menos energia.

Em stock, as temperaturas permaneceram em níveis completamente seguros com máxima de 71.3ºC, enquanto com overclock (4350MHz ~1.35V) foi registrado 94.2ºC, o que é um pouco alto, porém, ainda está abaixo do R5 2600X@stock e em um patamar que ainda pode ser considerado relativamente seguro, apesar de recomendar ao menos um fan soprando sobre o VRM caso for fazer overclock em um CPU desses usando essa placa.

  • Ryzen 5 2400G:

E por fim, resolvi também incluir o R5 2400G nesse teste, primeiro para ter uma noção de como as duas fases do VDDSOC se sairiam enquanto usando o vídeo integrado e também para ter ideia de como o R5 3600 se comportaria nessa placa, afinal de contas, a corrente demandada pelo R5 2400G das fases do VDDCR é bastante próxima daquela exigida pelo R5 3600.

Para as fases do VDDCR, optei por usar o R5 2400G com overclock @ 3.8GHz 1.4V como forma de apresentar-lhes a pior situação possível e que no caso, já tinha a noção de que seria “tranquilo” para a placa-mãe levar e assim foi, com uma máxima de 70.6ºC após os 30 minutos de stress com o AIDA.

Já relativo as fases do VDDSOC, a temperatura ficou na casa dos 75ºC com o IGP em stock e saltou lá para os 100ºC com overclock (1500MHz 1.2V), o que é um aumento considerável e em linha com o observado em outras placas-mãe que testei por aqui usando a APU, o que significa que nesse último caso, é recomendável adotar um fan soprando nas duas fases do VDDSOC.

E por fim, no gráfico abaixo é possível verificar como ficaram os deltas de temperatura do VRM, do pior caso registrado em cada uma das termográfias subtraido da temperatura ambiente da tabela acima e assim fica bastante evidente a diferença que a refrigeração ativa, ainda que sendo representada por um caso um tanto extremo, fez no desempenho térmico do VRM.

  • Conclusão:

A ASUS PRIME B450M-Gaming/BR se mostrou bastante razoável do ponto de vista da qualidade de construção ficando ali na média das demais placas B450 disponíveis, o layout do pcb foi bem planejado e a UEFI pode ser considerado o seu ponto alto, afinal de contas, trás a mesma funcionalidade, design e usabilidade encontrada nos demais modelos do fabricante, o que no caso, é algo muito bom!

No entanto ainda que oficialmente essa placa ofereça suporte até mesmo ao Ryzen 9 3950X, como os resultados aqui apresentados demonstraram, a falta de dissipadores no VRM dessa placa impõe ou limitações sobre quais CPUs são uma boa ideia de se usar ou que o usuário desenvolva uma “solução caseira” para refrigeração do VRM, seja usando uma fan potente ou adaptando dissipadores com uma fan mais civilizada.

Cabe ressaltar que mesmo com o R7 2700X fazendo o VRM bater 120ºC quando submetido ao AIDA64, a placa não apresentou throttling, tendo abortado manualmente o teste aos 8 minutos por questões de segurança e que a ideia desses testes é sempre pegar o pior caso, afinal de contas, não sei qual será o uso que cada um fará do seu hardware, então, pode que alguém monte um R7 2700X em uma placa dessas e use apenas para jogos que não exijam tanto do CPU e muito provavelmente as coisas ficarão ok, enquanto outros podem usar para trabalhar em uma renderização ou outra e ter problemas, portanto, pelo sim ou pelo não, mostro logo o pior caso! 😉

Enfim, de forma geral, a conclusão é que com B450M-Gaming/BR, é possível usar plenamente e sem precisar recorrer a adaptações, qualquer CPU Ryzen de 3ª geração (7nm) desde que sejam modelos com apenas um CCD, ou seja, do Ryzen 3500 até o 3800X, APUs e CPUs 14nm/12nm com TDP de até 65W, talvez com alguma ressalva para o R7 2700, que infelizmente não disponho aqui para testes.

Por fim, sobre o preço, a ASUS PRIME B450M-Gaming/BR pode ser encontrada por R$619.00 (em 05/04/2020) na Terabyteshop, o que é um valor considerável para uma placa simples como essa, sendo ainda possível encontrar outras opções similares em que o fabricante não optou por economizar no dissipador dos VRMs por um valor até menor do que esse, portanto, sugiro que deem uma olhada em todas opções antes de bater o martelo.

E por hoje é só! Dúvidas, críticas e sugestões são bem-vindas! Até a próxima!

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Contribua com o apoia-se da página para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

47 comentários

  1. Otimo review, contudo, vc nunca fez o teste que eu to aguardando que vc fala em qualquer plataforma AMD ryzen que é o simples fato de usar 4 pentes de memoria a 3200 ,mhz, coisa que nunca conseguir em 2 kits diferentes

    Curtir

  2. Se Asus coloca um dissipador no VRM….ia chover kit com ela com ryzen 9, queria ver o que as outras marcas fariam (inclusive ela, que possui aquelas series B450 com um monte de firula…e “arrega” segundo vi por ai)

    Curtir

  3. Excelente análise , seria interessante também por sugestão uma adição extra nos testes destas placas sem dissipação nos vrm , comprar dissipadores pequenos e colocar em cima pra ver o quanto diminui as temperaturas e como fica a corrente dos mesmos , abraços !

    Curtir

    1. Olá Gabriel,

      Obrigado!
      Quanto a sua sugestão, estou providenciando e testando algo relacionado a isso nesse exato momento, incluindo um teste utilizando o Wraith Prism ao invés do WC e diria que os resultados nesse ultimo caso estão sendo um tanto quanto interessantes… Espero publicar um pequeno artigo de atualização até domingo. 🙂

      Curtir

  4. Perfeita a análise, parabéns! Comprei essa placa com o R5 3600, e tava na dúvida se iria ter dor de cabeça com o aquecimento, mas parece q vou ter um sistema estável! Como vou usar water cooler e não vou ter aquele ventinho q sobra do cooler box original, comprei uns dissipadores para fixar nos VRMs só por garantia, além de manter as fans bem posicionadas, pois onde moro a média é 25º-30º.

    Curtir

  5. Saudações, Giancarlo! Tenho comigo um Ryzen 3 3200G (sem uma placa de vídeo dedicada, usando a onboard) e infelizmente não sabia dessas complicações de VRM na B450M e acabei comprando ela. Venho usando já tem alguns meses, utilizo o clock stock do processador e faço apenas overclock nas memórias (2666 para 3200). Você acha que vou ter alguma complicação? Tenho uma ventilação em direção ao gabinete (uma corrente de ar na horizontal, um ventilador no pé) e moro em Salvador, a temperatura é relativamente alta 😦

    Curtir

  6. Como diminui a voltagem?
    Eu tento reduzir pois meu processador e um Ryzen 3 3200g e a tela congela, mouse e teclado nao funciona.
    A voltagem que esta aqui e de 1.4v, teve gente que reduziu para 1.2v e resolveu esse problema do congelamento
    Na bios tem o modo ‘Auto’ e ‘Offset’, no Offset mesmo no valor minimo continua com 1.4v
    Tem como eu consertar isso?
    (Minha ja esta na ultima atualizacao)

    Curtir

    1. Olá Sandro,

      Na opção do Vcore, você coloca por “Offset” e logo abaixo vai ter a opção para selecionar se quer offset negativo ou positivo, dai é só colocar o valor que você quer. Lembrando que ele aplica o offset sobre um valor que aparece escrito no canto inferior da tela e que varia de CPU para CPU.

      Curtir

  7. Mano comprei um pc com processador ryzen 3 3200g com placa mãe asus B450M GAMING BR.
    Não entendo muito dessas coisa. ..
    Da pra fazer overclock???
    Dizem que pq n tem dessipador de calor esquenta d+ …
    Ajuda por favor…
    Obg.

    Curtir

  8. Estou com Asus 450m,8ram ryzen 53600 e rx5700 em alguns jogos estou tendo muita perda de FPS sera que seja o aquecimento no VRM ?

    Curtir

  9. Fala Giancarlo beleza?? Muito bom teu review, vim aqui por causa do video do Tito perguntar se com o R7 3800X usando diariamente pra jogar pelo menos 4/5hr por dia eles casam bem? Já tenho kit e nesse frio o processador tende a ficar abaixo dos 70 graus e algumas vezes chegar até 73/74, não entendo nada disso e nem pretendo fazer OC mas tava fazendo uns testes enquanto jogava e vi que a voltagem chegava a 1.55V e quando coloquei no modo “Performance” na BIOS ele chegou a 1.66V por ai!! Devo me preocupar? Desculpa o textão… não achei essa resposta especificamente em nenhum lugar

    Curtir

    1. Olá João Vitor,

      1.66V é tensão para uso no LN2, sugiro voltar o stock e não deixar nesse modo “Performance” não, pode degradar o CPU com o tempo.
      Lembrando que até 1.5V em stock no Precision Boost enquanto rodando alguma tarefa single thread leve é normal e também o máximo que o algoritmo do boost permite o CPU ir, o que não rola é bater 1.5V rodando um Cinebench da vida. 😉

      Curtir

      1. Opa, valeu pela resposta. Por curiosidade baixei o Cinebench e fiz o teste e a tensão ficou em 1.2V o teste inteiro, já estou mais tranquilo kkkk brigadão!!

        Curtir

  10. fala cara tu conseguiu chegar a 3333 mhz com a memoria a 3200 mhz correto? 2x8GB Crucial Ballistix LT 3200 CL16.
    estou tentando chegar aos 3200 estável com meu kit TEAM GROUP T-FORCE VULCAN 8GB (2X8) 2666MHZ.
    tu acha que da pra chegar ?
    eu consegui ate 3000 mhz estável aqui, XD falta os 200 agora.

    Curtir

    1. Olá Holand,

      Os testes foram conduzidos com a G.Skill FlareX 3200 CL14, mas a Ballistix deve fazer até mais que isso mesmo nessa placa.
      A respeito da sua Teamgroup, é possível que chegue sim, só depende de saber quais chips elas usam e fazer os ajustes corretos.

      Curtir

  11. Na data de hoje 11/06 creio que esta placa continua a não valer o que cobram por ela (~690,00), mas o problema é que abaixo dela temos apenas a Gigabyte GA-AB350M-DS3H V2 (por ~570,00) que mesmo vindo com dissipação nos VRM’s tem um BIOS bem limitado.
    Agora acabou de me surgir uma dúvida de como essa placa se sairia com um r5 1600 AF… será que conseguiria pelo menos 3000Mhz? Pq acho q ele usa Chips do 2600, mas os controladores creio que sejam de primeira geração (estou a pensar).

    Curtir

  12. Comprei uma placa igual a essa, junto a um R3 3200g, mas o PC não dá vídeo (memória RAM Kllisre 16gb 2666mhz x1). Tem algum problema de compatibilidade entre a placa e o processador? Ou seria a RAM mesmo?!

    Curtir

  13. Quando se faz overclock nas memórias o vrm também aquece mais(?), porém só na fase que controla as memórias?
    Vi alguns testes em outro lugar que o overclock no cpu esquentava também as fases soc.(desculpe se estiver errado, só estou procurando um pouco mais sobre oc além de sair aumentando tensão e clock haha).

    Curtir

    1. Olá João Paulo,

      Se fizer overclock nas memórias e isso também envolver aumentar a sua tensão de operação, sim, o VRM das memórias (não confundir com o SOC) deve aquecer mais por conta da maior corrente exigida, entretanto, ainda sim essa corrente é algo baixo e o aquecimento extra não deve representar problemas.

      Curtir

  14. Muito bom o artigo. Porém não estou conseguindo setar minhas memórias para 3000mhz, elas só estão rodando a 2400mhz. Ativei o perfil DOCP mas quando ele sai da BIOS para reiniciar ele fica parado na primeira tela e fala que está em modo de segurança e recomenda reverter a alteração.

    PC: placa mãe asus b450 gaming/br
    memória 2×8 ddr4 3000mhz
    processador ryzen 5 3500x
    vídeo rx 570 8gb

    Curtir

  15. Belo trabalho!
    Qual placa seria uma opção mais interessante que essa?
    Pretendo mês que vem pegar uma placa pra montar com um Ryzen 2600+, o objetivo é edição de fotografia, vídeos e jogos respectivamente, mas tbm gosto de tentar um overclock. Tô em dúvida entre essa e a gigabyte b450 ds3h

    Curtir

    1. Olá Lucas,

      Não testei essa Gigabyte, mas vejo que tem tido boas promoções com ela e imagino que ao menos a nível de hardware deve ser parecida com a ASUS, só com a vantagem de ter dissipador no VRM, o que implica que ela deve sofrer um pouco menos em situações com fluxo de ar limitado nessa região.

      Curtir

  16. Olá, gostaria de saber se eu usando um Ryzen 5 3600x nesta placa mãe ocorreria algum problema no vrm? e também estou com um water cooler de 240, Obrigado!

    Curtir

  17. Tava querendo comprar uma dessas pra colocar um Ryzen 5 3600 com um cooler Hyper T4. Posso ficar tranquilo? Tem alguma com dissipador na mesma faixa de preço? Ou deveria esperar as 550?

    Parabéns pela análise!

    Curtir

  18. Estava doido para fazer um undevolt na minha r3 3300x, mas não sei onde acho as configurações de cpu de frequência e voltagem. Você pode me ajudar?

    Curtir

    1. Olá Luiz,

      Na opção “VDDCR CPU Voltage” você coloca como “Offset Mode”, na opção abaixo você seleciona o sinal desse Offset, se positivo ou negativo (que é o seu caso, para undervolt) e no campo abaixo desse, o valor do offset que será aplicado e atente-se no valor base na qual ele irá aplicar o offset e que no caso, pode ser visto no canto inferior esquerdo da tela.

      Curtir

  19. Giancarlo, parabéns pelo seu trabalho, espetacular esse seu Review! Acabei de efetuar a compra dessa placa, junto com um Ryzen 9300X. Você podeira me indicar um modelo de memória ideal? (Seria algo parecido com o teste da do 3700X, assim como os ajustes)!? Referente a temperatura, também seria algo próximo? Abraço e sucesso sempre!!!

    Curtir

  20. Boa tarde, minha dúvida é um pouco fora do tópico. Eu comprei meu pc em abril do ano passado (r7 2700 + essa placa), porém não fiz a atualização da BIOS até hoje. Devo fazer essa atualização ou não existe necessidade se não pretendo usar a nova geração Ryzen?

    Curtir

Deixe uma resposta para Yan Gabriel Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: