Overclock Extremo

Ryzen 3 3300X – Overclock extremo (LN2) e resultados

Fala pessoal, beleza?

Ontem foi o lançamento dos novos Ryzen 3 3300X/3100, que são os novos CPUs 7nm de entrada da AMD e vocês puderam conferir aqui na tOCP o artigo com os testes em stock e overclock do R3 3300X, onde encerrei o artigo com uma foto meu dewar de LN2, o que evidentemente não tinha outro significado senão de que ele estava cheio e que o R3 3300X logo iria sofrer um pouquinho nas minhas mãos, então, se você abriu esse artigo na expectativa de ver a “cobra fumar” pro lado desse pobre CPU, veio ao lugar certo! 😀

Ao contrário do review, onde utilizei a TUF X570-PLUS/BR e a ASUS PRIME B450-Gaming/BR nos testes, para o overclock extremo optei por utilizar minha boa e “nem tão velha assim” Crosshair VII Hero, primeiro por ela já estar isolada “permanentemente” com plastidip, o que é uma mão na roda e limita o posterior isolamento apenas a colocar papel toalha, o que agiliza bastante as coisas, segundo, por já ter utilizado essa placa para overclock extremo em várias outras ocasiões ter alguma familiaridade com o comportamento dela e por fim, outra coisa que ajuda é o display 7-segmentos para o post code, que é vital para saber o motivo do CPU ter parado no post, seja por coldbug (CB), algum outro ajuste errado ou mesmo instabilidade por conta de condensação.

De todo modo, para quem quiser se aprofundar um pouco mais no procedimento e naquilo que você deve saber antes de querer congelar um Ryzen “Matisse”, sugiro a leitura do artigo de overclock extremo do R5 3600, que apesar de ser da época do lançamento, continua 100% válido, então, vamos ao hardware utilizado!

  • Configurações utilizadas:

CPU: AMD Ryzen 3 3300X (Obrigado AMD!)

MOBO: ROG Crosshair VII Hero (UEFI 3004)

VGA: NVIDIA GeForce RTX 2080 (Obrigado NVIDIA!)

RAM: 2x8GB G.Skill FlareX 3200CL14

REFRIGERAÇÃO: SF3D Inflection Point + Nitrogênio Líquido + Pasta térmica KINGPIN KPx (obrigado Renan!)

STORAGE: SSD HyperX 3K 120GB

SO: WIndows 10 x64 1909 “depenado”

Objetivo dos testes: Descobrir o limite do novo Ryzen 3 3300X usando refrigeração extrema (LN2) visando extrair performance máxima nos benchmarks e verificar o seu comportamento nessas condições. Os detalhes de como foram conduzidos os testes e metodologia estão descritos no texto que acompanham os resultados.

  • Resultados:

O primeiro passo para se obter sucesso na empreitada de congelar o Ryzen “Matisse” é fazer o ajuste correto do FCLK/VDDSOC/VDDG. Para o FCLK deve-se ficar em uma faixa que vai dos 1400MHz até os 1600MHz onde cada incremento tende a trazer o coldbug para um patamar mais alto, o VDDSOC deve ficar em uma faixa que vai desde os 1.25V até os 1.55V e o VDDG em 1.15V, porém, no AGESA 1004b esse ajuste foi dividido em dois, o VDDG_CCD e o VDDG_IOD, e caso a placa-mãe ofereça a opção de ajusta-los em separado, use algo como 1.2V e 0.9V, respectivamente.

Evidentemente, esses valores podem variar um pouco de CPU para CPU, sendo que no meu R3 3300X usei o VDDSOC em 1.35V e VDDG em 1.15V, conseguindo assim trabalhar com o CPU na casa dos -135ºC. Nessa amostra, pude utilizar o FCLK @ 1600MHz pois o CB permaneceu idêntico em relação ao FCLK @ 1466MHz, o que é excelente, afinal de contas, não são muitas as amostras que conseguem operar com FCLK @ 1600MHz nessas temperaturas extremas e pelos relatos de outros overclockers que testaram diversos CPUs no LN2, o chip ser muito bom em temperatura ambiente não implica necessariamente que ele brilhará em uso extremo.

Em relação aos benchmarks, rodei os tradicionais Cinebench R15/R20, Geekbench 3, HWBOT x265 e GPUPI 3.2 com frequências do CPU variando entre 5475MHz e 5550MHz com cerca de 1.725V no vcore enquanto que as memórias estavam rodando @ 3733MHz 12-11-11-24 com sub timings apertados. A ideia era ter “puxado” algo como 4000~4066MHz nas memórias usando esses timings, entretanto, mesmo @ 3866 o sistema apresentou instabilidade, o que talvez se resolva fazendo ajuste manual do CLDO_VDDP, algo que não fiz por dispor apenas de 20L de LN2 que também pretendo usar para testar mais alguns CPUs. 😉

Sobre os resultados obtidos, foi possível chegar nos 1510 pontos no Cinebench R15, superando vários i7 7700K na casa dos 6.7GHz, já em relação aos GB3, o FCLK @ 1600MHz deu uma ajudinha e com isso consegui quebrar a marca dos 28600 pontos, o que poderia ter sido ainda melhor caso as memórias tivessem subido conforme o planejado e por fim, o GPUPI 3.2, que apesar de ser multithread é bastante leve e por conta disso, consegui completa-lo com o CPU rodando @ 5625MHz, o que é algo excelente para um Ryzen de 3ª geração. Nos links abaixo é possível ver esses resultados no HWBOT:

Cinebench R15: https://hwbot.org/submission/4432711_

Cinebench R20: https://hwbot.org/submission/4432720_

Geekbench 3.4.3b3: https://hwbot.org/submission/4432714_

GPUPI 1B: https://hwbot.org/submission/4432736_

HWBOT X265 4K: https://hwbot.org/submission/4432718_

Por fim, a tradicional galeria de fotos da plataforma toda congelada, algo que não poderia faltar em um artigo sobre overclock extremo! 😀

Conclusão:

O Ryzen 3 3300X se comportou bem quando submetido a essas temperaturas “extremas” trabalhando com FCLK @ 1600MHz sem maiores impactos no coldbug, que nessa unidade ficou na casa dos -135ºC, porém, ainda sim ele foi capaz de atingir frequências entre 5475MHz e 5625MHz com apenas 1.725V e obteve números em sua maioria comparáveis a de um i7 7700K, que atualmente é o “rei” da categoria 4x cores no HWBOT, trabalhando com frequências bem mais altas, por exemplo, o resultado obtido pelo R3 3300X no Cinebench R15 @ 5550MHz está em linha com o obtido pelo i7 7700K @ 6700MHz, o que é excelente e mostra o quão competitivos esses novos Ryzen 3 são mesmo no cenário do overclock extremo.

Então é isso pessoal, dúvidas, críticas e sugestões são bem-vindas!

Até a próxima!

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Contribua com o apoia-se da página para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

7 comentários

    1. Olá Yago,

      Depende do hardware em questão. Um Threadripper, 9900XE ou uma 2080Ti da vida no LN2 passam de 1kW rodando benchmark com facilidade, o que explica você ver o pessoal usando várias fontes de 1000~1200W para rodar bench nessas coisas no LN2.
      Aogra um R3 3300X da vida, apesar de eu não ter parado pra ver isso, acredito que não deve chegar nem perto dos 400W. 🙂

      Curtido por 1 pessoa

  1. caraca, melhor que esse artigo só se vc tivesse filmado tudo e colocado no youtube, mano hahaha somos carentes no brasil de canal com esse foco mais nerd em hardware de pc. como sempre, excelente. abraço!

    Curtir

  2. Seria possível ou fazer um artigo ou se tiver e pode passar o link, de um artigo seu sobre como fazer overclock extremo o que precisa,m material conhecimento básico etc?

    Curtir

  3. Olá, estou querendo comprá-lo e estou bastante na dúvida de aplicações em segundo plano, por exemplo se eu estiver jogando com o que exatamente pode estar rodando em segundo plano sem que atinja 100% da cpu, se eu fizer OC melhora ?

    Curtir

    1. Olá David,

      O 3300X empurra bem em jogos, mas por exemplo, se você tiver planos de fazer livestream enquanto joga, pode ser mais negócio ir logo de R5 3600, pois nesse caso, os dois cores a mais devem fazer a diferença.
      E sim, overclock ajuda mas não faz milagre nesse caso.

      Curtir

Deixe uma resposta para Giancarlo C. Dalmedico "NoMS" Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: