[Review] Pasta térmica Thermalright TF7 – Ótimo desempenho e bom preço, uma combinação de sucesso!

Fala pessoal, beleza?

Nesse artigo irei testar a pasta térmica Thermalright TF7, que se trata de um dos compostos vendidos pela tradicional fabricante de dissipadores, famosa pelos clássicos Thermalright TRUE 120 e pelos sistemas de refrigeração desenvolvidos para diversas placas-mãe da DFI, onde a pasta em questão é oferecida apenas em uma seringa contendo 2g do material.

O exemplar testado veio de brinde junto do seu frame para socket LGA1700, contudo, quando adquirida separadamente, a TF7 vem em uma embalagem zip-lock acompanhada de uma pá para auxiliar na aplicação.

É necessário destacar que a função da interface térmica é ocupar as micro-ranhuras da base do dissipador/IHS com algo que tenha maior condutividade térmica que o ar, melhorando a troca de calor entre essas superfícies e de quebra, baixando a temperatura da CPU/GPU.

Segundo a fabricante, a TF7 possui condutividade térmica de 12,8 W/mK e temperatura de operação entre -150 °C até os +250 °C, o que significa que apesar dela não ter foco em overclock extremo, em certos casos, pode ser utilizada para esse fim.

Quanto ao uso do produto, não tem segredo, bastando aplicar a pasta sobre o IHS do processador usando o seu método favorito, no caso, aqui, sempre que possível, é feita a aplicação em “X”. É importante destacar que a TF7 não é condutiva.

Caso alguém se interesse,aqui vai o link para o produto no site do fabricante, que, na verdade, trata-se de uma loja, então, vamos à configuração utilizada e aos resultados obtidos!

Configuração utilizada:

CPU:AMD Ryzen 7 2700X (obrigado AMD!)

MOBO: ASUS TUF X570-Plus Gaming (Obrigado Terabyteshop!)

RAM: 2×8 GB Crucial Ballistix 3200CL16

GPU: ASRock Radeon RX 5700 XT 8 GB

PSU: Seasonic SS-750AM

COOLER: XPG Levante 240 mm (Obrigado XPG!), Thermal Grizzly Carbonaut, IC Graphite, GD900-1, Deepcool Z3, Cooler Master Mastergel Maker, Thermal Grizzly Kryonaut, Thermal Grizzly Kryonaut Extreme, Kingpin Cooling KPx e Thermalright TF7.

SSD: Sandisk 120 GB

Software: Windows 10 x64, Blender 3.1.2, HWiNFO 7.26.

Objetivo dos testes:

Verificar se a Thermalright TF7 consegue entregar bom desempenho, comparando-as com outras alternativas de interface térmica que já foram testadas por aqui. Mais detalhes acerca da metodologia e de como foram conduzidos os testes estão contidos nos textos a seguir.

Resultados:

Para esses testes, foi utilizado o Ryzen 7 2700X @ 4.1GHz 1.3375V LLC 3 e VDDSOC 1.025V com memória configurada em 3200MHz XMP, onde foi utilizado o Blender renderizando o demo “Classroom” por 30 minutos para obtenção dos resultados.

Foram testadas uma passada logo após a aplicação/montagem do cooler e outra no outro dia, após mais alguns ciclos “esquenta-esfria”, intercalando um período de 40 minutos em “idle” e 40 minutos de estresse no AIDA. A ideia disso é verificar se a pasta térmica em questão possui algum tempo de cura, ou seja, se existe diferença de desempenho entre o produto recém-aplicado e após ciclos térmicos.

O gráfico abaixo se refere ao delta T (ΔT), que se trata da diferença entre a temperatura do CPU (no caso) e a ambiente, retirando assim esse ultimo fator da jogada.

E a TF7 acabou indo muito bem nos testes, superando até mesmo a Thermal Grizzly Kryonaut e ficando muito próxima da KPx na briga pelo topo do ranking, o que de certo modo é até surpreendente, já que a Thermalright ainda possui duas outras pastas térmicas com maior condutividade que a testada. Os deltas foram de 47,5 °C para o “pós-aplicação” e 46,9 °C após o “tempo de cura”.

Outro ponto a se observar foi o bom desempenho após o tempo de cura, sem apresentar quedas no desempenho em relação ao “pós-aplicação”, o que é ótimo.

Conclusão:

A Thermalright TF7 acabou ficando em segundo lugar no comparativo, com desempenho surpreendentemente próximo do apresentado pela Kingpin Cooling KPx, não apresentando degradação de desempenho após o tempo de cura.

Sobre o custo de aquisição, a Thermalright TF7 não possui revendedor local, porém, pode ser adquirida via AliExpress, onde uma unidade sai por aproximadamente 26 reais e um lote com 10 seringas de 2g pode ser encontrada por cerca de 74 reais + frete, o que diante do desempenho apresentado, dá para afirmar que esse lote com 20g de pasta apresenta uma relação custo benefício bastante interessante, especialmente para quem, por alguma razão, precisa de uma quantidade maior de pasta térmica.

Por fim, é necessário ressaltar que por se tratar de um produto importado, o valor final pode ser maior por conta da incidência de impostos, taxas adicionais e variação cambial.

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Considere contribuir com o crowdfunding ou doação para ser possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

3 comentários Adicione o seu

  1. Rivotril® disse:

    Essa Thermal Grizzly Kryonaut Extreme com esse nome todo pomposo, cara bagarai e tomando pau no tempo de cura pra GD900-1 baratinha do Ali hahaha.
    Quando via aquele alemão do overclock que parece o Jimmy Neutron fazendo propaganda da pasta achei que fosse a pica das galaxias, ainda bem que não comprei.

    Curtir

  2. Leo disse:

    Como sempre, muito bom, parabéns!!!
    Realmente, pasta top, ainda mais pelo CxB!!!
    Irei comprar.

    Curtir

  3. Ricardo disse:

    Excelente teste. Estava justamente buscando um review da kryonaut e o google me responde com o seu site, e pra melhorar ainda mais me dá essa opção mais barata e com melhor desempenho. Favoritado!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s