Memórias Reviews

[Review] 2×8 GB Zadak Spark 4133 CL19 – Samsung B-Die – Testes e resultados

Nesse review irei analisar um kit de memória da Zadak, pertencente a série “Spark RGB DDR4”, a qual oferece modelos de 2666MHz até 4133MHz, em módulos de 8 ou 16 GB, que podem ser adquiridos separadamente ou em kits de 16 GB ou 32 GB. O produto dessa análise é um kit de 16 GB com dois módulos, frequência de 4133MHz, timings 19-21-21-43 e tensão de operação de 1.4V... Continue lendo!

Fala pessoal, tudo bom?

Nesse review irei analisar um kit de memória da Zadak, pertencente a série “Spark RGB DDR4”, a qual oferece modelos de 2666MHz até 4133MHz, em módulos de 8 ou 16 GB, que podem ser adquiridos separadamente ou em kits de 16 GB ou 32 GB. O produto dessa análise é um kit de 16 GB com dois módulos, frequência de 4133MHz, timings 19-21-21-43 e tensão de operação de 1.4V.

Os pentes de memória vem em uma caixa retangular com uma ilustração do produto, onde na parte de trás, figuram informações a respeito das memórias e etiquetas constando a capacidade e frequência. As memórias vêm protegidas por um “blister” plástico que cumpre bem o seu papel de proteger contra possíveis maus tratos no transporte.

Em relação ao dissipador, a Zadak optou por um dissipador de alumínio preto com detalhes prateados e iluminação RGB, o que resultou em um visual bastante diferenciado. No que diz respeito a sincronização dos leds RGB, existe suporte as soluções da ASUS, GIGABYTE, MSI e RAZER.

Ao remover o dissipador, o que felizmente acabou sendo uma tarefa bastante simples, uma grata surpresa, a Zadak optou por utilizar Samsung B-Die juntamente ao PCB. A2, que é aquele onde os chips ficam localizados mais próximos dos contatos, o que em termos práticos, pode se traduzir em maior frequência final, claro, isso se o “bin” dos chips permitir.

O Thaiphoon Burner apenas acabou por atestar aquilo que já foi confirmado ao remover o dissipador, sendo importante ressaltar que em alguns casos onde as memórias são equipadas com chips Samsung C-Die, o software os identifica erroneamente como Samsung B-Die, o que leva muita gente ao engano, afinal, esses CIs apresentam características bastante diferentes entre si, com as C-Die sendo bem inferiores para overclock.

Por fim, caso alguém venha a se interessar, nesse link é possível conferir a página do produto.

  • Configurações utilizadas:

CPU:AMD Ryzen 3 5350G (Obrigado AMD!)

MOBO: MSI B550 Unify-X (UEFI A.43O)

RAM: 2×8GB Zadak Spark RGB DDR4 4133 CL19 (Obrigado Terabyteshop!)

GPU: GIGABYTE RX 5500 XT 8 GB (Obrigado Terabyteshop!)

PSU: Antec Quattro 1200W

COOLER: Water Cooler da bancada

SSD: Sandisk 120 GB

Software: Windows 10 2004 x64, TM5 0.12 1usmus config v3, AIDA64 6.32.5600 e Geekbench 3.4.2.

Objetivo e metodologia dos testes: Descobrir qual o limite para uso diário das Zadak Spark RGB 4133 usando o Ryzen 3 PRO 5350G, além da frequência máxima para benchmarks nessa plataforma.  Para facilitar a compreensão dos resultados, eles foram separados em dois grupos:

1) XMP: Trata-se do máximo possível de se obter apenas carregando o perfil XMP e subindo clock/tensão, parando nos 4733MHz 1:1 com FCLK @ 2366MHz que é o limite para o exemplar de Ryzen 3 PRO 5350G utilizado, claro, isso se a memória que estiver sendo testada conseguir chegar lá.

A vantagem dessa abordagem é que ela é extremamente simples e não demanda nenhum ajuste do usuário no que diz respeito aos timings, entretanto, você paga o preço da simplicidade com menor desempenho, pois os ajustes são feitos automaticamente pela placa-mãe e podem ser bastante relaxados.

2) 24/7 com ajuste fino: E aqui, foram feitos ajustes manuais em todos os timings possíveis visando obter o melhor resultado possível com viabilidade para uso diário. Por conta disso, quando possível, será testado além dos 3800MHz para explorar qual seria o limite da memória em outras CPUs ou plataformas que se beneficiem das frequências elevadas, como, por exemplo, as APUs Renoir e Cezanne e os CPUs Intel, visando “ajudar” os donos dessas plataformas, porém, no caso dos Ryzen 3000 e 5000 baseados em chiplets, o ajuste de melhor desempenho e mais simples de ser obtido geralmente é aquele usando o FCLK sincronizado com a memória, no caso, 3800MHz (RAM) e 1900MHz (FCLK). Nesse artigo consta uma explicação detalhada do porque isso ocorre, de forma que fica a recomendação da leitura para uma melhor compreensão do assunto.

Nos casos 1 e 2, foram utilizados o TM5 0.12 1usmus config v3 para verificar estabilidade, o AIDA64 para ter noção dos números de banda/latência e o Geekbench 3.4.2 para ter uma melhor ideia do desempenho. Para esses testes, a CPU foi travada em 4.4GHz com 1.3V.

  • XMP:

Com essa abordagem, foi possível obter estabilidade no TM5 com 4200 MHz usando tensão de 1.5V, o que é um resultado bom se consideramos o mínimo esforço empreendido para obtenção desse número, porém, como veremos adiante, fazendo dessa maneira, os timings acabam ficando extremamente relaxados, definitivamente não aproveitando em nada o maior trunfo dos chips Samsung B-Die, que é a capacidade de trabalhar com timings bastante apertados.

Apesar o tCL padrão ser 19, os Ryzen costumam trabalhar bem apenas usando tCL par, por isso, a placa-mãe tratou de arredondar para o próximo número par, no caso, 20. Ao tentar forçar tCL 19 manualmente, mesmo com GDM OFF, o resultado foi falha no post.

  • 24/7 com ajuste fino:

Com os ajustes finos, foi possível melhorar consideravelmente vários timings relevantes para o desempenho, trazendo ganhos notáveis em relação ao XMP. Como é possível ver na tabela acima, foi possível obter estabilidade em 3800 MHz usando tCL 14, relaxando o tRCDRD/WR, tRP para 15 e tRFC de 260, tudo isso usando VDIMM em 1.5V, o que, em geral, é considerado seguro para memórias equipadas com esses chips, inclusive com diversos outros modelos usando essa tensão como padrão.

É interessante observar que esses Samsung B-Die costumam ser bastante sensíveis em relação à temperatura, apresentando erros nos testes de estabilidade ao exceder a barreira dos 50 °C, algo que acabou não ocorrendo durante os testes a 3800 MHz, não sendo necessário o uso de uma ventoinha soprando diretamente sobre a memória, porém, cabe ressaltar que os testes são realizados em bancada e que a temperatura dentro do case tende a ser maior, portanto, é de bom-tom manter ao menos algum fluxo de ar sobre as memórias.

Além disso, também foi possível obter 4266 MHz com 16-17-17-17-42-360 mantendo os 1.5V, o que é uma excelente marca para aqueles que possuem processadores que se beneficiam dessas frequências mais elevadas, ou seja, APUs Renoir/Cezanne e Intel Comet Lake e Rocket Lake, porém, cabe observar que foi necessário subir a tensão do VDDSOC acima dos 1.3V para obter estabilidade, o que talvez não seja muito seguro para uso diário do ponto de vista da CPU.

Abaixo, os números de Leitura/Escrita/Cópia/Latência, obtidos no benchmark do AIDA64 e também no sub teste de memória do Geekbench 3.4.2, lembrando que todos esses resultados passaram no teste de estabilidade do TM5 0.12 v3 e ao menos especificamente para essas amostras, representa algo que pode ser usado diariamente. Notem a brutal diferença nos resultados entre 3800 MHz e até mesmo 4200 MHz XMP, tudo isso veio por conta do ajuste manual dos timings!

Benchmark em frequência máxima:

Visando verificar a frequência máxima para essas memórias em um benchmark competitivo, foi possível completar a maior parte dos testes rodando a 4800 MHz com timings ainda mais apertados, “módicos” 2V nas memórias, 1.45V no VDDSOC e “maxmem” limitado em 3.5 GB, algo que é necessário com as Samsung B-Die. Assim, foi possível chegar a insanos 11494 pontos no “Memory Score” do Geekbench 3, um resultado absolutamente brutal! 😀

Aproveitando a deixa de uma sessão de overclock extremo com o Ryzen 5 5600X, também foi possível validar 5000MHz 14-14-14-28-42-1T com “leves” 2.05V, o que infelizmente não se mostrou estável para benchmark, um pouco por conta da própria CPU, que apresentou instabilidades no controlador de memória com toda essa frequência e temperatura de -190 °C (full pot), sendo necessário mantê-la acima disso para essa validação.

Conclusão:

As Zadak Spark RGB DDR4 4133 apresentaram boa compatibilidade com a plataforma AMD, funcionando normalmente com XMP, sendo necessário observar que por uma particularidade da plataforma, o tCL impar acaba sendo sempre “arredondado” para o próximo valor par. Ao se fazer overclock com o ajuste XMP, foi possível obter estabilidade em 4200MHz apenas aumentando a tensão das memórias para 1.5V, o que é uma boa marca, especialmente considerando o mínimo esforço empreendido para se chegar nesse resultado.

Já com o ajuste manual, foi possível obter 3800 MHz 14-15-15-15-28 com tRFC em 260 e 1.5V, o que se mostrou um bom acerto para uso diário nos Ryzen 3000 e 5000 baseados em chiplets, inclusive superando em desempenho o ajuste 4200MHz XMP. Para aqueles que possuem CPUs que se beneficiam de frequências altas nas memórias, também foi possível obter 4266 MHz com 16-17-17-17-42-360 mantendo esses mesmos 1.5V, o que é viável apenas em kits Samsung B-Die com chips de excelente qualidade.

Sobre os resultados em benchmarks, ao esticar a tensão para algo na casa dos 2V e limitar o SO aos 3,5 GB, o que é algo recorrente aos módulos equipados com Samsung B-Die nessas situações mais extremas, foi possível completar a maioria dos testes com 4800 MHz 14-13-13-13-28-220 1T, o que é excelente e talvez nem seja o limite para essas memórias, afinal, ainda foi possível validar 5000MHz com CL14 usando um Ryzen 5 5600X no LN2.

Em relação à disponibilidade e preço, nesse momento (3/10/2021), as Zadak Spark RGB DDR4 4133 se encontram por R$1769,00, o que é sem a menor dúvidas um valor elevado para um kit de memória de 16 GB (2×8 GB), porém, é necessário lembrar que os kits equipados com chips Samsung B-Die por si só já costumam ter um extra ($$$) no seu preço, junte a isso o fato de quanto maior a “qualidade”, o bin, dos chips, maior também será o seu custo, portanto, se você é um usuário menos “hardcore”, pode ser interessante buscar por outras alternativas nesse valor, incluindo kits de 32 GB, porém, se o seu negócio é fazer estrago em benchmark ou simplesmente quer memórias DDR4 de altíssimo desempenho a qualquer custo, pode confiar que esse produto vai entregar aquilo que você quer!

E é isso! Dúvidas, perguntas e sugestões são bem-vindas! Até a próxima!

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Contribua com o apoia-se da página para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

7 comentários

  1. Ótima análise Giancarlo! Tenho um kit 2x8gb XPG ADATA 4133mhz CL19 com chip Samsung B-die tbm e consigo estabilizá-lo em 3800mhz 14-14-14-34 com 1.54v usando uma B550M Silver (Biostar) e um R5 3600 a 4.625mhz 1.3v no vcore e 1.15v no vsoc. Você acha seguro usar essa voltagem nas memórias ?

    Curtir

  2. Tenho uma grande dúvida! Vendo os seus reviews de vários modelos de memórias chinesas, e todas elas com bons resultados, fica a pergunta: Existe algum ponto (SALVO A GARANTIA NO BR NÉ?) que justifique comprar as memórias de marcas famosas, como corsair, Kingston HyperX, Adata XPG, Gskill, Crucial e etc? Sei lá.. qualidade do pcb, qualidade da solda, durabilidade comprovada, etc…. Eu, sinceramente, tenho um certo preconceito com essas DRAM da china… dá na mesma comprar uma markvision que daqui 2 anos já deu pau… Nos SSDS é impressionante a quantidade de reclamação e produto defeituoso… Um kingspec 120gb 2.5″ do meu cliente durou 5 dias… No mais, aguardo sua resposta e parabéns pelo conteúdo divulgado aqui! Vou tirar um fim de semana para ler todos os seus artigos!! Muita informação valiosa!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: