Placas-Mãe Reviews

Soyo SY-YL B550M – ‘Soy yo’ uma boa opção de placa-mãe AM4 baratinha? Teste e review completo!

Nesse review, irei analisar a Soyo SY-YL B550M, que se trata de uma placa-mãe B550 Micro ATX básica com dois slots de memória e que por conta do chipset B550, vem com suporte a PCI-E 4.0 e a overclock... Continue lendo!

Fala pessoal, beleza?

Nesse review, irei analisar a Soyo SY-YL B550M, que se trata de uma placa-mãe B550 Micro ATX básica com dois slots de memória e que por conta do chipset B550, vem com suporte a PCI-E 4.0 e a overclock.

Muitos devem se lembrar da Soyo, que era um fabricante até que bem popular nos anos 90 e começo dos 2000, onde ela acabou sumindo do mercado ocidental, com sua presença se mantendo restrita a China, algo que recentemente vem mudando, por força do AliExpress. É importante destacar que a Soyo e a Maxsun, que é outro grande fabricante chinês, possuem diversos modelos compartilhando o mesmo PCB, o que indica que existe alguma relação entre às duas marcas.

A respeito da caixa, na parte da frente, consta uma ilustração de um dragão e informações como nome do fabricante e modelo, enquanto na parte traseira, existe destaque ao PCI-E 4.0, SATA III 6Gbps, USB 3.0, Dual-Channel (??) e a informação que essa placa foi projetada em Taiwan.

Do kit de acessórios que acompanha o produto, temos o espelho traseiro, cabos SATA, parafusos para o M.2, folheto manual e um DVD com drivers

O PCB é marrom escuro com o mesmo grafismo do dragão e nome do fabricante que existem nos dissipadores, o que era de se esperar, afinal, desde idos dos anos 2000, a Soyo utiliza o nome “Dragon” para designar as suas placas-mãe, algo que visivelmente, resistiu ao teste do tempo.

Sobre o layout do PCB, ele ainda está dentro daquilo que podemos considerar aceitável para um modelo de entrada, contudo, existem alguns pontos negativos, por exemplo:

  • A porta M.2 está localizada logo abaixo do slot PCI-E primário, limitando a circulação de ar e a altura máxima para o dissipador do SSD, o que talvez seja um problema para várias unidades, especialmente as PCI-E 4.0.
  • Em muitos dos casos, as travas dos slots de memória acabam encostando na GPU, o que pode dificultar a troca da memória ou requerer que se remova a placa de vídeo para isso. Esse inconveniente poderia ser resolvido ao se usar slots com travas em apenas no lado superior ou trocando a posição do PCI-E com o NVMe no projeto da placa.

A respeito do armazenamento, a M.2 é conectada a CPU e permite instalação de SSDs SATA M.2 ou NVMe PCI-E 4.0, ficando limitada a PCI-E 3.0 nas APUs, e por fim, quatro portas SATA com suporte a RAID 0,1 e 10.

O codec de áudio utilizado é o “veterano” Realtek ALC662, o qual é extremamente básico e diferente do que costumamos ver na maior parte das placas-mãe modernas, NÃO está instalado em uma camada separada no PCB da placa-mãe, o que significa que assim, ele está mais suscetível a interferências e muito provavelmente, a qualidade do áudio integrado provavelmente não está entre os pontos fortes dessa placa-mãe.

Sobre o espelho traseiro, são apenas duas portas USB 3.1 Gen1, quatro USB 2.0, duas ‘PS/2’ (teclado e mouse), LAN, saídas de vídeo VGA/HDMI e painel de som com três jacks, o que está nas expectativas para uma placa desse segmento, apesar de que seria interessante ver mais portas USB 3.1 Gen1 no lugar das USB 2.0.

Para a SY-YL B550M, o fabricante optou por incluir um robusto dissipador no VRM, o qual é de alumínio, apresenta aletas para troca de calor sendo preso a placa-mãe através de parafusos, o que como é possível constatar pelo ‘thermalpad’, propicia contato ótimo com os mosfets, o que definitivamente foi um acerto por parte da Soyo.

Já para o chipset B550, foi usado um pequeno dissipador preso por presilhas plásticas com mola, o que é suficiente diante da baixa dissipação de calor desse componente.

A respeito do VRM, a Soyo optou por usar um arranjo de 4+2 (VDDCR+VDDSOC) fases com o controlador Richtek RT8894A, que integra três drivers, onde para uma das fases do VDDCR e às duas do VDDSOC, foram utilizados os Richtek RT9624A para o acionamento dos mosfets.

Curiosamente, a Soyo decidiu por usar um mesmo mosfet tanto para a parte de alta quanto para a de baixo, no caso, dois UNIKC PKE00BB em paralelo para cada lado, onde esse componente suporta uma corrente máxima de 47A @ 100 °C, possui um Tr (tempo de subida) de 66ns e Tf (tempo de queda) de 14ns, o que é medíocre do ponto de vista das perdas de chaveamento, além disso, o rds(on) @ Vgs = 10V de 4.1mΩ, o que também não é ótimo, mas que deve ser reduzido pela metade por existirem dois mosfets de baixa em paralelo desse ‘design’.

Tecnicamente, não existe nenhum problema em usar o mesmo mosfet tanto em alta quanto baixa, a grande questão é que isso não é o ideal do ponto de vista da eficiência, afinal, em um conversor do tipo Buck, o componente de alta é como se fosse uma “chave” e por essa mesma razão, seria bom optar por modelos com menor tempo de subida e queda, visando minimizar as perdas por chaveamento. Agora, o componente de baixa trabalha como “condutor”, fazendo o papel do diodo nos diagramas do conversor Buck que vemos por aí, ou seja, aqui o principal parâmetro a se olhar é o rds(on), afinal, ele é um dos principais fatores a determinar as perdas de condução.

Dito isso, em termos de mosfets discretos, é bastante difícil encontrar um que seja bom em todos esses parâmetros, então, é por esse mesmo motivo que vemos os fabricantes adotando componentes diferentes para alto e baixo, algo que não aconteceu por aqui.

No que diz respeito a dissipação de calor das fases do VDDCR, considerando uma frequência de chaveamento de 300KHz, Vgs de 10V e tensão de saída de 1.3V, para uma carga de 55A (R5 4650G e R5 3600 OC) ele deve dissipar cerca de 11W, com 80A (R7 3800XT e R7 5800X) cerca de 14,7W e por fim, 100A (R9 3900XT/5900X) 22W, o que sugere que esse circuito pode ter dificuldades para lidar com as CPUs compostas de duas CCDs, ou seja, aquelas com 12 ou mais núcleos e TDP de 105W.

Nas fases do VDDSOC, foi adotada a mesma configuração das fases do VDDCR, com dois PKE00BB em alta e dois em baixa, porém, sem dissipador, o que de qualquer modo, não deverá ser um problema, afinal, a corrente demandada dessas fases do VDDSOC costuma ser menor.

Sobre a UEFI, o visual da interface é simples e em alguns aspectos, lembra um pouco as placas da Biostar, porém, em outros aspectos, ela chega até mesmo a ser surpreender, oferecendo ao menos as opções necessárias para se obter um bom ajuste a nível de uso diário.

De positivo, esse modelo apresenta ajustes de tensão por “override”, o que deve facilitar bastante na hora do overclock, porém, fica devendo a opção dos “offsets”, algo que alguns preferem usar para não comprometer o gerenciamento de energia em idle, existem ajustes de LLC para VDDCR e VDDSOC com até oito níveis, o ajuste manuais dos timings de memória estão todos ali, incluindo opções como ProcODT e os RTT, os quais são de extrema utilidade na hora de fazer o acerto em kits dual rank, A-XMP funcional, uma opção de overclock de memória fácil com alguns ‘presets’ pré-definidos e para fechar com chave de ouro, a placa não leva uma eternidade para completar o post.

Mas ainda existem alguns pontos a se melhorar, por exemplo, ao se ativar o perfil XMP, o ajuste do FCLK e do UCLK se tornam cinza-escuro, o que pode ser um problema com memórias de 3600 MHz ou mais, afinal, nesses casos, o ajuste tende a deixar tudo no modo 1:2, prejudicando o desempenho, o ajuste de frequência do vídeo integrado não está disponível, assim como as opções para PBO, desabilitar TSME em CPUs “PRO” e o menu AMD Overclocking.

No que diz respeito aos ajustes de tensão principais, o ‘CPU Core’ permite aplicar “override” de até 1.55V, o ‘CPU_SOC’ vai até 1.3V, o ajuste de tensão das memórias (DDR Memory Voltage) permite até 1.65V, onde esses limites são bem razoáveis para overclock em temperatura ambiente e uma placa-mãe de entrada.

Caso alguém tenha interesse, segue o link para site do fabricante e o anúncio no AliExpress, onde consta, as especificações do produto. Vamos então às configurações utilizadas e resultados!

  • Configurações utilizadas:

CPU: Ryzen 3 PRO 4350G / Ryzen 5 3600 / Ryzen 5 5600X / Ryzen 7 5800X / Ryzen 9 3900 XT

MOBO: Soyo Dragon SY-YL B550M (BIOS: B4.0G)

VGA: ASRock RX 5700 XT Challenger (Obrigado Terabyteshop!)

RAM: 2×8 GB XPG Spectrix D45G 3600CL18 (Obrigado XPG!) – 2×8 GB Zadak Spark 4133 CL19 (Obrigado Terabyteshop!) – 2×8 GBV-Color Prism Pro RGB 4000CL19 (Obrigado Terabyteshop!) – 2×8 GB Galax HOF 4000CL19 (Obrigado Galax) – 2x8GB Crucial Ballistix 3200 Red (Obrigado Terabyteshop!) – 2×16 GB G.Skill Trident Z Neo 3600 CL16

REFRIGERAÇÃO: Raijintek EOS 240 RBW (Obrigado Terabyteshop!) e pasta térmica GD900

STORAGE: SSD Sandisk 120GB

EQUIPAMENTOS EXTRAS: Termômetro digital GM1312, FLIR One LT

Software utilizado: Windows 10 x64 build 21H2, 3DMark, Blender 3.15, HWiNFO 7.26, Geekbench 3.4.2, TM5 0.12 v3.

  • Objetivo dos testes:

O objetivo desse artigo é verificar se a Soyo Dragon SY-YL B550M é realmente uma boa opção de placa-mãe, testando como o seu VRM se comporta com carga, compatibilidade e overclock de memória usando pentes com diferentes chips e configuração de PCBs disponíveis no mercado, funcionamento do PCI-E 4.0 e compatibilidade dessa placa com CPUs de diferentes gerações.

Explicações acerca da metodologia adotada ou de como os testes foram conduzidos estão contidas nos textos que acompanham os resultados a seguir.

  • Compatibilidade de CPU:

Um ponto sensível nas placas B550, é que na época do lançamento desse chipset, a AMD veio com a informação de que elas teriam apenas suporte oficial dos Ryzen 3000 em diante com as CPUs anteriores ficando por conta do fabricante implementar o suporte ou não.

Ao que consta, para essa placa da Soyo, existem algumas versões de bios mais antigas que não contavam com interface gráfica e aparentemente, essas suportavam modelos de primeira e segunda gerações, enquanto que nesse review, como sempre, é utilizada a ultima versões disponível, que é a B4.0G e que como vocês já viram, possui interface gráfica, porém, nada consta a respeito do suporte a esses processadores antigos, portanto, foram escalados um representante de cada geração para testar com quais CPUs essa placa passaria no post.

E aconteceu que a Soyo SY-YL B550M só passou no post usando processadores de 3ª geração fabricados em 7nm, ou seja, 3200G/3400G provavelmente não, em diante, com R5 2600X, R5 2400G e Athlon 3000G não dando imagem, seja usando uma GPU dedicada ou no caso das duas APUs, o vídeo integrado, portanto, vale ficar atento a esse detalhe se for comprar essa placa-mãe.

  • PCI-E 4.0 – Suporta mesmo?

Enquanto do lado Intel da força, é relativamente comum encontrarmos placas B660 com slot PCI-E 16x limitado a especificação 4.0, com o 5.0 ficando restrito apenas as B660 mais rebuscadas e Z690, no lado AMD, mesmo as placas-mãe B550 mais simples costumam ter suporte ao padrão 4.0, porém, isso se mantém verdade para esse modelo da Soyo?

Para verificar isso, foi utilizado o “PCI Extreme feature test” que acompanha a suite do 3DMark, o qual junto a uma placa de vídeo com suporte ao padrão 4.0, permite medir a largura de banda do barramento.

O máximo teórico para um slot PCI-E 16x 3.0 é 16 GB/s, no caso, ao usar um R7 5800X junto da 5700 XT, a Soyo obteve 22.93 GB/s, o que claramente indica que a placa realmente suporta o padrão 4.0, ainda que no caso, esse valor tenha ficado um pouco aquém do máximo teórico (32 GB/s), o que é em certa medida, normal.

  • Compatibilidade de memória e overclock:

Apesar dessa ser uma placa-mãe de entrada, ela utiliza a topologia DPC, ou seja, apenas dois slots de memória, algo que costuma favorecer na hora do overclock por conta do menor comprimento de trilha entre CPU e memórias, resultando em maior integridade de sinal, então, porque não testar o quão bem a Soyo vai no overclock? Além disso, como já tivemos a oportunidade e dispomos de memórias equipadas com muitos chips e PCBs distintos, é possível ter uma boa noção se essa placa também possui boa compatibilidade e se os ajustes da bios são realmente funcionais.

Dessa forma, foram utilizados kits equipados com chips Samsung B-Die e PCB A0, A2 e B1 (Dual Rank), Samsung D-Die, Micron E-Die e Hynix DJR, os quais praticamente todos já foram testados aqui na página e nos respectivos reviews, possuem uma tabela informando os ajustes estáveis para 3800 MHz, quando possível, o qual foi a configuração utilizada aqui. Para esse teste, foi usado o R7 5800X com FCLK 1:1.

E aqui, a Soyo SY-YL B550M foi muito bem, “aceitando” todas as memórias testadas, trabalhando com os parâmetros obtidos nos reviews, com uma pequena observação a respeito das memórias equipadas com chips Samsung B-Die e pcb A0 e B1 (dual rank), que precisaram baixar para os 3733 MHz para zerar os erros no TM5, algo que não aconteceu no kit com PCB A2.

EDIT (30/07/2022 19:46): O fabricante recentemente incluiu no anuncio da placa-mãe uma observação a respeito de problemas de compatibilidade com memórias Asgard, o qual pude confirmar aqui. Em breve mais informações a respeito, por ora, sigam a recomendação da Soyo e não comprem memória desse fabricante se for usar com essa placa-mãe.

De modo geral, essa placa-mãe não deve ter problemas com compatibilidade ou overclock de memória, ao menos não com a bios B4.0G e usando um Ryzen 5000 “Vermeer”.

VRM e temperatura de operação:

Para verificar a temperatura do VRM, foi instalado um termopar tipo K com um thermalpad grudento na parte de trás da placa, logo abaixo de uma das fases, conforme mostra a foto abaixo. Esse modelo não possui sensor de temperatura no VRM.

Foi utilizado o Blender renderizando a demonstração “Classroom” por meia hora usando o HWiNFO para monitorar/ gravar o log dos “sinais vitais” do sistema durante o teste e ao fim, tomar nota tanto da temperatura ambiente quanto do termopar instalado na placa. Já para o teste do VDDSOC, foi utilizado o teste de estresse do 3DMark por 10 minutos, onde a temperatura dos mosfets foi medida usando a Flir One LT.

Foram testados diversas CPUs, partindo do com consumo mais baixo, que é o R3 4350G, o qual registrou cerca de 50W diretamente do conector EPS, medidos pelo ElmorLabs PMD, até chegar no R9 3900XT, que bateu os 195W em load! Lembrando que por conta dos parâmetros do PPT/TDC/EDC, os Ryzen com TDP similar tendem a apresentar consumo próximo, de maneira que o resultado do R3 4350G poderia, por exemplo, ser extrapolado para um R3 4100 e o do R9 3900XT para o R9 5900X/R9 5950XT.

No gráfico dos resultados, o valor apresentado é o delta T (ΔT), que se trata da diferença entre a temperatura da CPU (no caso) e a ambiente, retirando assim esse ultimo fator da jogada e foi feito assim por conta do ambiente no momento dos testes ter sido ligeiramente diferente entre as rodadas.

É importante salientar que esses testes foram realizados em bancada aberta e que a “temperatura ambiente” dentro de um gabinete costuma ser algo maior, a depender do hardware utilizado, projeto de ventilação do case e da própria temperatura da sala onde o computador está localizado.

E aqui, uma grata surpresa! A Soyo SY-YL B550M sobreviveu aos testes, não apresentando throttling com nenhuma das CPUs utilizadas, ainda que no caso do R9 3900XT a situação seja limite, com um delta de aproximadamente 80ºC, o que implica em temperaturas acima dos 110ºC no VRM para um ambiente acima dos 30ºC, algo bastante comum no nosso país, então, se for usar um processador com dois CCDs (3900X/3950X/5900X/5950X), é recomendável ir atrás de uma placa-mãe mais robusta ou usar uma fan soprando diretamente sobre o VRM da Soyo.

Já com o R7 5800X, o delta foi de 57,8ºC, o que não é nada desprezível, porém, mesmo com ambiente de 30ºC, o VRM ainda ficaria abaixo dos 90ºC, o que é tolerável diante da corrente exigida (~80A), mas claro, fluxo de ar extra seria uma boa recomendação, apesar de não ser obrigatório nesse caso.

Em relação aos demais processadores, a Soyo é capaz de levar com “os pés nas costas”, mesmo considerando algum overclock na jogada, o que é o caso do R5 5600X para baixo, o que conta as APUs R7 5700G e R5 5600G.

  • Conclusão:

Do ponto de vista de layout, qualidade e recursos oferecidos, a Soyo SY-YL B550M tem construção razoável para o que se propõe, onde o fabricante não negligenciou detalhes como dissipador no VRM, porém, é necessário destacar que no que se refere ao layout, a localização do slot M.2 logo abaixo do PCI-E principal, o segundo PCI-E usando um conector 16X e as travas dos slots de memória que batem em GPUs mais longas são coisas que poderiam ter sido pensadas com mais carinho, assim como o VRM, onde simplesmente usaram o mesmo mosfet tanto em alta quanto em baixa, o que seria melhor se tivessem adotado outro componente com melhores tempos de subida/queda do lado de alta, resultando em maior eficiência.

Dos recursos integrados, estão meio que na média das placas-mãe B550 mais simples do mercado, cabendo uma observação a respeito do som onboard usar um codec bastante simples, onde ele sequer foi instalado em uma camada isolada do PCB, o que não inspira muita confiança a respeito da qualidade do áudio, porém, isso também não é muito diferente daquilo visto nas placas da mesma faixa de preço.

Sobre a BIOS da placa, essa talvez foi uma das maiores surpresas positivas dessa placa, afinal, o fabricante aparentemente costuma soltar atualizações de bios com certa frequência e falando da própria UEFI, existe uma interface gráfica minimamente razoável, as opções disponíveis podem ser consideradas decentes, contando com ajuste de XMP funcional, “Override”nas tensões do VDDCR/VDDSOC, 8 níveis de LLC e praticamente todos os timings de memória disponíveis, inclusive contando com uma opção de overclock “automático”!

É claro que a UEFI não é perfeita, falta o ajuste de frequência do vídeo integrado, menu AMD Overclocking, as opções do PBO e por alguma razão, ao se ativar o XMP, as opções do FCLK e do UCLK ficam cinzas, o que significa modo 2:1 ao usar uma memória com XMP de 3600MHz ou maior, mas certamente, essas são coisas “menores” que o fabricante pode resolver facilmente em uma futura versão de BIOS, pois no principal, o trabalho foi bem feito.

Em relação ao suporte as CPUs e PCI-E 4.0, a Soyo SY-YL B550M com bios B4.0G é compatível com os qualquer Ryzen fabricado em 7nm, ou seja, aqueles com arquitetura Zen2 em diante, não passando no post com os modelos anteriores, o que, bem ou mal, está de acordo com a especificação da AMD. O suporte a PCI-E 4.0 também está ai, o que significa que alguém pode usar uma 6500XT junto a essa placa-mãe da Soyo sem perdas de desempenho, claro, isso se estiver usando uma CPU que conte com suporte a esse padrão.

No que diz respeito a compatibilidade e overclock de memória, todas as memórias testadas foram capazes de trabalhar com estabilidade e em overclock usando os ajustes dos respectivos reviews, com exceção da Samsung B-Die com pcb.A0 e pcb.B1 (dual rank), onde em ambos os casos foi mais fácil ficar nos 3733 MHz. De todo modo, a Soyo fez um bom trabalho aqui e dificilmente alguém vai ter problemas de compatibilidade com essa placa-mãe, afinal, foram testadas várias memórias equipadas com diferentes chips e PCBs e a experiência acabou sendo boa.

Sobre o VRM, a solução de 4 + 2 fases não falhou e tampouco apresentou throttling com as CPUs que foram testadas, o que é um ponto positivo, porém, foi observado um delta de 80ºC ao usar o R9 3900XT, ou seja, no caso de se usar uma CPU com 2 CCDs é fortemente recomendado o uso de ventilação forçada nessa região. Com o R7 5800X, a situação foi um pouco mais confortável, apesar de ainda ser razoável manter algum fluxo de ar no VRM, enquanto do R5 5600X para baixo, não existe a necessidade de se preocupar com a temperatura do VRM, mesmo com overclock. Apenas para constar, APUs como o 5700G/5600G possuem consumo similar ou inferior ao do 5600X, portanto, sem problemas para o VRM.

Em relação ao preço, nesse exato momento, (26/6/2022) a Soyo Dragon SY-YL B550M se encontra na loja oficial do fabricante no AliExpress por R$393,83, com uma oferta por R$366,16 prevista para amanhã o que é um valor bastante razoável diante dos resultados apresentados nos testes dessa placa-mãe, a qual apesar de não ser perfeita, se mostrou uma opção muito digna para o segmento de entrada para CPUs como Ryzen 5 5500 ou 5600, inclusive, se saindo melhor que suas concorrentes de preço que até pouco tempo atrás, poderiam ser encontradas no mercado nacional.

Apenas é necessário se atentar aos eventuais problemas que podem ocorrer na compra de produtos importados como esse: possibilidade de a mercadoria ser taxada, demora na entrega e a garantia ser uma incógnita.

E por hoje é só! Dúvidas, críticas e sugestões são bem-vindas! Até a próxima!

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Contribua com o apoia-se da página para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

21 comentários

  1. Teste maravilhoso, para quem pretende pegar um 5600 + RX 6500 xt essa placa é uma boa pedida, ainda mais podendo parcelar em 6x sem juros.

    Curtir

  2. Muito obrigado amigo. Suas considerações sobre essa placa foram fundamentais para eu optar por ela. O seu revew muito claro até para leigos como eu. Continue com seu trabalho, não esquecendo o público classe média baixa.

    Curtir

  3. Como é bom ler um review “raíz”. Em texto e muito bem escrito! 🙂
    Excelente análise sobre a placa. Estou utilizando ela com um Ryzen 5 5600G e o desempenho está ótimo. Consegui fazer um overclock básico no clock do processador, mas o fato dela não ter o over para a GPU frusta um pouco, pois ai preciso utilizar o Ryzen Master (que não é dos mais estáveis..).
    Um outro detalhe é que o windows acusa que a máquina não possui o TMP 2.0, mesmo com a opção “fTPM” habilitada na BIOS. Preciso entender melhor esse problema.
    No mais, estou gostando muito da placa e pelas promoções que estão surgindo, é uma ótima opção em custo-benefício para quem quer PCI-E 4.0.

    Curtir

    1. Olá TuxBR,

      Você está usando a última bios B4.0G? Em tese, é para não ter problemas com fTPM com AGESA 1.2.0.7 e o W11, mas no caso, pode ser algum bug na implementação da bios da placa.

      Assim que tiver um tempo, vou tentar instalar uma iso padrão do W11 na Soyo para ver o que acontece.

      Curtir

      1. Opa Gian, sim. Estou utilizando a última, atualizei essa semana inclusive. Mas tranquilo, o Windows 10 tá rodando redondinho aqui.

        Curtir

      2. Pow cara, agradeceria se fizesse esse testa, não conseguir ativar também o TPM dessa placa.
        Só reitero os comentários aí em cima, que review foda, linguagem simples até para leigos.

        Curtir

          1. Passando pra dar um feedback sobre o TPM. Consegui ativá-lo sim. Acho que o ocorreu é que o ssd estava em outro notebook e eu não cheguei a formatá-lo quando transferi pro PC novo. Tem uma opção na BIOS onde você “reseta” o TPM e com isso o Windows localizou que o módulo existe. Já estou rodando o Win11 a todo vapor aqui!

            Agora,uma coisa que aconteceu, (por puro vacilo meu) é que eu fui instalar uma placa de vídeo e acidentalmente bati em um dos resistores (não sei se é essa a palavra certa) da trilha do conector M2, arrancado-o… Com isso minha placa não está reconhecendo mais nada nessa porta.
            Tive que comprar um adaptador PCI-E – > M.2.

            Vocês sabem se isso tem algum tipo de conserto?

            Curtir

  4. Comprei essa placa e instalei um SSD Sata 3, formatando com Win10 em UEFI com segurança pra poder utilizar o Win11, posteriormente. Ativei as opções do AMD fTPM e habilitei a opção de reset, mas na verificação do sistema, consta que não tem o TPM habilitado, mesmo seguindo as etapas necessárias pra ativar o recurso.

    Os chineses mandaram a MOBO atualizada, com uma versão B4.0G de 06/06/2022. Informação da AGESA AM4v2PI 1.2.0.7.

    Utilizo um R5 3600, 16GB Shadow Netac 3200Mhz (XMP ativo), SSD Goldenfir 128GB somente pro S.O e uma RX 6600.

    Alguém saberia o que pode ser?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: