Overclock Extremo

Cheapaz Chips 2022 – Overclock nas GT210 e companhia – Parte 1

Alguns bons anos atrás, postei um artigo a respeito da Cheapaz Chips, que se trata de uma competição de overclock cuja origem se deu nos fóruns e o objetivo, como o próprio nome sugere, era molestar GPUs de baixo custo, onde naquela oportunidade, foi escolhida a GT710 como vítima, com a qual vimos frequências acima dos 1800MHz e consegui terminar a competição no 7.º lugar, infelizmente com várias baixas no processo.... Continuar lendo!

Fala pessoal, tudo certo?

Alguns bons anos atrás, postei um artigo a respeito da Cheapaz Chips, que se trata de uma competição de overclock cuja origem se deu nos fóruns e o objetivo, como o próprio nome sugere, era molestar GPUs de baixo custo, onde naquela oportunidade, foi escolhida a GT710 como vítima, com a qual vimos frequências acima dos 1800MHz e consegui terminar a competição no 7.º lugar, infelizmente com várias baixas no processo.

Apesar das perdas, a experiência da competição foi bastante satisfatória, então, aproveitando que organizaram uma nova Cheapaz Chips em 2022, por que não participar? Diferente da edição de 2016, a vítima escolhida para 2022 são as VGAs equipadas com a GPU GT218!

Para aqueles que podem ter estranhado esse tal “GT218”, essa GPU utiliza a arquitetura Tesla 2.0, a mesma usada no GT200 de placas como GTX28X/GTX26X, porém, fabricada em 40 nm e obviamente com muito menos SM’s que as GPUs maiores, resultando em um diminuto die de 57 mm² com TDP máximo de 50W.

Essa GPU e suas variantes equiparam uma série de placas com diferentes nomes, onde talvez a mais popular seja conhecida por GeForce 210, contudo, existem placas GT218 com nome de “8400GS”, “9300GS”, “9400GT”, entre outros, os quais podem apresentar diferenças significativas entre si, por exemplo, sabendo que o GT218 suporta memórias DDR2/DDR3/GDDR3, não precisa de muito para logo se chegar a conclusão que existem modelos equipados com os três tipos de memória e que eles apresentam diferenças consideráveis de desempenho entre si, afinal, o barramento de 64-bits costuma limitar por conta da reduzida banda disponível.

Outro detalhe importante é que existem exemplares equipados com 128 MB até 2 GB, algo que pode impactar na capacidade de overclock, afinal, mesmo dois modelos usando DDR3, um pode vir com quatro chips e outro com oito, onde a segunda opção tende a ser desfavorável nesse quesito, então, esse é outro ponto importante na hora de escolher qual placa pegar para competir.

Então, após pesquisar as opções disponíveis, a conclusão foi que a Quadro FX 380 LP seria uma escolha acertada, afinal, o uso de memórias DDR3 para esse modelo é garantido, além dela ser equipada com apenas 512 MB e quatro chips de memória, o que também aumenta as chances de um exemplar competitivo.

Como o próprio nome sugere, essa Quadro se trata de uma placa “low-profile” bastante simples, equipada com uma saida DVI e Display Port, sem conector de energia adicional e conta com um pequeno dissipador com ventilador na refrigeração da GPU.

Ao remover o dissipador, é possível ver a GPU e os quatro chips de memória DDR3, que no caso desse exemplar, são os Hynix BFR, porém, também existem placas desse modelo equipadas com chips Samsung. Existem dois VRMs monofásicos separados, onde um alimenta a GPU e o outro, as memórias.

Ambos VRMs utilizam o mesmo controlador PWM uP6161, os quais estão localizados na parte traseira do PCB e caso alguém tenha interesse em fazer os VMODs, o diagrama abaixo ilustra o processo, onde foram utilizados um potenciômetro multivoltas de 10k entre o pino 4 e o GND de cada um desses controladores.

Além disso, também foram adicionados capacitores (capmod), cuja ideia é reduzir o ripple na carga, com potenciais ganhos de frequência com overclock. Abaixo é possível ver as fotos da placa após as modificações.

  • Configuração utilizada

CPU: Intel Core i7 4770K

MOBO: ASUS ROG Maximus VI Impact

RAM: 2x2GB G.Skill Flare 2000CL7

VGA: Quadro FX 380 LP

STORAGE: SSD Sandisk 120GB

SO/Driver: Windows 7 x64 SP1 e 3dmark03

Objetivo dos testes: Explorar os limites da Quadro FX 380 LP antes e após as modificações, assim como os ganhos obtidos com cada uma das modificações. Mais detalhes a respeito dos testes se encontram nos textos a seguir.

Resultados:

O primeiro passo foi testar a placa sem modificações para ver até onde seria possível de empurrar a frequência da GPU, que no caso dessa arquitetura, possui ajustes separados para os SP (Shader Processor) e o resto do core, além também das memórias, que como dito anteriormente, é um dos aspectos mais importantes nessas placas de baixo-custo limitadas pelo barramento de 64-bits. Um detalhe importante é que por conta da furação do sistema de fixação ser assimétrico, todos os testes foram conduzidos usando o cooler original, claro, após troca da pasta térmica e limpeza do dissipador.

Com a placa toda padrão, foi possível completar o 3dmark03 com frequências de 730 MHz (GPU) / 1555 MHz (Shader) / 900 MHz (Memórias), o que parece ser algo bastante “normal” para essas placas, onde infelizmente, a sorte não ajudou muito com as memórias, que pararam nos 900 MHz com tensão padrão, enquanto outros competidores têm obtido algo na faixa dos 1000~1040MHz.

Não houveram ganhos de frequência com o capmod, nem na GPU, nem na memória, o que é um indicativo que o circuito original foi bem dimensionado no que diz respeito ao estágio de filtragem dos VRMs, claro, isso para a GPU trabalhando sem aumento de tensão.

Ao fazer os voltmods, o primeiro ganho observado foi nas memórias, que escalaram com até cerca de 1.75V, atingindo os 960 MHz, o que é algo razoável, porém, ainda insuficiente, afinal, não chegou nos 1000MHz+ que outros competidores têm observado.

Já a GPU, foi possível escalar até os 770 MHz (Core) / 1635MHz (Shaders) com 1.175V (cerca de +0.0125V em relação ao stock) usando o cooler original, o que resultou em um pequeno ganho na pontuação do benchmark.

É necessário destacar que esses benchmarks ainda apresentam margem para melhora nos resultados, afinal, o 3dmark03 rende mais no Windows XP e com tweaks como LOD, que não foram feitos, afinal, por enquanto o objetivo é simplesmente testar os limites dessa VGA.

Em resumo, temos a tabela abaixo com os resultados obtidos até então:

E por enquanto é só pessoal! A segunda parte do artigo será dedicada a modificações ainda mais extremas que foram realizadas nessa placa, algo que quem segue o Instagram da página já teve uma palhinha e também os seus resultados “finais”, ai com tweaks e tudo mais, valendo para a competição! 😀

Até a próxima!

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Contribua com o apoia-se da página para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: