Overclock Extremo

Cheapaz Chips 2022 – Overclock extremo (LN2) nas GT210! – Parte 2

Na semana passada, foi publicada a primeira parte do artigo a respeito da competição Cheapaz Chips 2022, a qual está sendo realizada no HWBOT, onde na presente edição, estão usando placas baseadas na GPU GT218, o que inclui uma série de modelos com diferentes nomes, onde no meu caso, optei por usar uma Quadro FX 380 LP... Continue lendo!

Fala pessoal, tudo certo?

Na semana passada, foi publicada a primeira parte do artigo a respeito da competição Cheapaz Chips 2022, a qual está sendo realizada no HWBOT, onde na presente edição, estão usando placas baseadas na GPU GT218, o que inclui uma série de modelos com diferentes nomes, onde no meu caso, optei por usar uma Quadro FX 380 LP, afinal, como dito na primeira parte, as memórias são o fator mais determinante no desempenho dessas plaquinhas e por esse ser um modelo profissional, não costumam economizar nesse aspecto, então, a foto abaixo sintetiza bem como essa placa ficou até aqui.

Apesar dessas modificações permitirem fazer todos ajustes de tensão necessários e os capacitores adicionais darem margem para lidar com o ripple ao se exigir uma maior carga do VRM, esse último se torna um fator limitante nessas situações, afinal, trata-se de um conversor monofásico que ao que consta, começa a “sofrer” para levar o GT218 trabalhando com tensão na casa dos 1.35V~1.4V, então, para resolver esse problema, foi utilizado o EVGA EPower V, sim, o mesmo que já apareceu por aqui em outros artigos (esse e esse outro) e que no caso dessa placa, é um tremendo de um exagero! 😀

Além do EPower, foi instalado uma espécie de IHS de cobre na GPU, o qual foi colada com silicone preto de alta temperatura, o mesmo que costumam usar para colar o IHS dos CPUs Intel de volta após o processo do delid. O propósito disso é simplesmente proteger o die da GPU, algo que pela experiência da Cheapaz Chips de 2016, é um tanto quanto frágil e também para permitir o uso de outros dissipadores usando apenas a gravidade para fixação, afinal, a NVIDIA optou por usar uma furação assimétrica nessa placa, complicando um pouco possíveis adaptações.

Como não poderia deixar de ser, a Quadro também foi isolada para overclock extremo, o que seria até um passo óbvio, afinal, todo esse trabalhão na preparação da placa com o EPower não poderia ser em vão né? 😉

  • Configuração utilizada

CPU: Intel Core i7 4770K

MOBO: ASUS ROG Maximus VI Impact

RAM: 2x2GB G.Skill Flare 2000CL7

VGA: Quadro FX 380 LP + EVGA Epower V

STORAGE: SSD Sandisk 120GB

SO/Driver: Windows XP, Windows 7 x64 SP1, 3dmark01, 3dmark03 e 3dmark Vantage

Objetivo dos testes: Explorar os novos limites da Quadro FX 380 LP antes e após as modificações e obter resultados para a competição. Mais detalhes a respeito dos testes se encontram nos textos a seguir.

  • Resultado no ar:

Naturalmente, o primeiro passo após modificações dessa magnitude é verificar se a GPU estava viva e para isso, foi utilizado o mesmo dissipador de cobre que muitos de vocês devem ter reconhecido do artigo do K6-2, o qual é mais que o suficiente para refrigerar essa GPU, além de ter massa para a gravidade fazer o serviço de fixação, afinal, o EPower foi instalado com a ideia de que a placa ficaria “montada” na horizontal usando um riser PCI-E.

Como era de se esperar, foi possível ir além com a frequência da GPU usando o EPower, escalando até os 790 MHz (GPU) / 1895 MHz (Shader) com cerca de 1.44V, correspondendo a um ganho de mais de 200 MHz nos SPs em relação ao VRM padrão, o que até razoável, porém, muito aquém do que um bom exemplar de GT218 pode fazer com essa mesma tensão e refrigeração.

Por alguma razão, que pode ser desde o SO utilizado ou até mesmo a própria placa após o mod, algo que só conseguiria investigar tendo um osciloscópio em mãos, a memória acabou perdendo preciosos 50 MHz no processo, o que é ruim, afinal, isso poderia fazer uma boa diferença nos resultados.

  • Resultados no LN2:

Então, finalmente, chegou a hora de ver como essa Quadro FX 380 LP se sairia no overclock extremo, onde foi utilizado o mesmo pot de chipset fabricado pelo iandiniz48, sim, o mesmo que também foi escalado nos testes dos AMD K6-2 e Pentium MMX! É interessante observar que esse pot deu conta do recado com facilidade, inclusive, por conta da sua pequena massa e da baixa dissipação de calor da GPU, o consumo de LN2 aqui foi muito baixo, o que de certa maneira é um ponto positivo para aqueles que desejam se aventurar nessa competição.

A Quadro apresentou bom funcionamento com temperaturas de até -60 °C, apresentando instabilidades abaixo dessa marca, o que também implica ser possível ir longe mesmo usando gelo seco. Sobre as frequências obtidas, no 3dmark03, foi possível atingir 880 MHz na GPU e 2165 MHz no Shader com “módicos” 1.62V, sendo possível esticar mais uns 10~20 MHz no Vantage.

Com isso, foi possível obter 42228 pontos no 3dmark01, 15776 no 3dmark06 e 1331 no GPU Score do Vantage, o que até o momento foi o suficiente para ficar em 7.º lugar na competição, o que está muito longe de ser algo definitivo, afinal, ainda temos mais de 10 dias de competição pela frente, porém, esse é o fim da linha para esse exemplar.

E abaixo, uma complementação da tabela resumo com os parâmetros obtidos para diferentes condições de teste.

  • Conclusão:

A Quadro FX 380 LP sobreviveu a toda “tortura” na qual ela foi submetida, começando pelos voltmods convencionais e terminando no EPower com refrigeração extrema, porém, infelizmente, a sorte não esteve ao lado desse exemplar, que apesar de guerreiro, ficou um pouco aquém do esperado em relação às frequências obtidas, no caso, não houve estabilidade nem com 800MHz na GPU no ar e as memórias não chegaram nem perto dos 1000 MHz, apesar disso, até o momento, foi possível ao menos chegar no 7.º lugar no ranking geral da competição, o que é bastante razoável, contudo, cabe lembrar que ainda temos 10 dias de “combate”, o que significa que dificilmente essa placa terminará nessa posição.

E é isso pessoal… digo, é nada! Pensam que acabou e que as coisas vão ficar por isso mesmo? Não mesmo! Apresento-lhes a Quadro NVS 300, ou basicamente, o plano B para a Cheapaz Chips! Será que essa segunda placa vai se sair melhor que a primeira? Isso é o que veremos nos próximos capítulos! 😀

Ah, e não se esquecem de seguir a página lá no Instagram, afinal, tem conteúdo exclusivo por lá e às vezes, pode rolar até algum spoiler do que está por vir!

Até a próxima!

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Contribua com o apoia-se da página para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: