Artigos, Placas-Mãe

[Review] MSI X470 Gaming Plus

Fala pessoal, beleza?

Nesse review irei analisar a MSI X470 Gaming Plus, que é uma placa-mãe AM4 no formato ATX usando chipset X470 e famosa internet a fora por ser uma opção capaz de suportar bem o tranco enquanto usando CPUs 105W ou em overclock só que sem “dilapidar” o bolso do comprador. Será que ela entrega isso mesmo? Veremos! 🙂

Em relação a caixa, a MSI adotou um grafismo preto/vermelho com especial atenção ao “Gaming Plus” e na parte de trás, temos uma foto da placa com as suas especificações e destaque a alguns features como o slot PCI-E reforçado, RGB Mystic Light, Audio, EZ Debug Led e etc.

Do kit de acessórios, acompanham a placa: Espelho traseiro, DVD com drivers, dois cabos SATA, adesivos e manual.

A MSI X470 Gaming Plus apresenta um visual bastante distinto nas cores preta/vermelho, lembrando algumas placas ROG clássicas ou mesmo as lendárias eVGA Classified de outras eras, o que particularmente me agrada bastante. Ainda sobre essa questão estética, também se destacam os dissipadores aparentemente robustos que foram empregados nessa placa e os leds RGB na extremidade superior da placa, próximos aos slots de memória e soldados na parte de trás da placa.

Sobre o layout da placa, o mesmo é de forma geral bastante decente, onde posso destacar a inclusão de um botão clear cmos e dos já mencionados debug led. Os slots de memória utilizados apresentam travas dos dois lados, porém, os mesmos ficam longe o suficiente do primeiro slot PCI-E de forma que são acessíveis sem a necessidade de se remover a VGA. A MSI também não economizou com os fan headers, oferecendo seis conectores do tipo estrategicamente espalhados pela placa, o que considero muito bom!

A X470 Gaming Plus oferece seis portas SATA e dois M.2 PCIe, sendo o primeira ligada ao CPU e a segunda ao X470. É importante mencionar que o ultimo slot PCI-E vermelho (o E6) não pode ser utilizado caso se use um dispositivo M.2 NVME na segunda interface e também, caso use um M.2 SATA nessa mesma interface, a porta SATA1 é desativada.

Tanto o codec de áudio (ALC892) utilizado quanto a LAN (RTL8111H) são fornecidos pela Realtek, sendo o primeiro foi montado em uma camada isolada do PCB como é de praxe atualmente e não possui isolamento metálico contra EMI. Para uma placa como essa, talvez fosse interessante ter optado por dispositivos integrados um pouco melhores, especialmente na LAN, como fizeram algumas de suas concorrentes que optaram pelo codec de audio ALC1220 e LAN Intel.

Sobre o espelho traseiro, temos 2 portas USB 2.0, 6 portas USB 3.X, uma PS/2, LAN, saídas de vídeo DVI/HDMI e painel de som com 6 conectores, o que está considero bastante razoável para uma placa como essa.

Em relação ao conjunto de dissipadores do VRM, a MSI adotou dissipadores de alumínio que ainda que tenham formato mais otimizado para estética do que para desempenho, são bastante robustos, ainda que não como os utilizados na Colorful X570 que testei recentemente. Também é digno de destaque o bom contato com dos mesmos com os mosfets e o uso de parafusos para fixação.

A respeito do VRM, a MSI optou por um arranjo de 4+2 (VDDCR+VDDSOC) fases usando o controlador RT8802A, os mosfets utilizados são dois OnSemi 4C029 (high side) e dois OnSemi 4C024 (low side) por fase, sendo que os OnSemi 4C029 suportam uma corrente máxima de 46A @ 25ºC / 34A @ 85ºC e possuem um Tr (tempo de subida) de 26ns e Tf (tempo de queda) de 4ns , enquanto os OnSemi 4C024 apresentam rds(on) @ Vgs = 10V de 2.8mΩ, o que não é nada mal e deve ser reduzido pela metade por conta dos dois mosfets em paralelo, resultando em excelentes 1.4mΩ. Nas 2 fases para o VDDSOC, são adotados os mesmos mosfets em conjunto a um dissipador robusto, o que significa que essa placa não deve apresentar problemas mesmo ao se usar uma APU com overclock no IGP.

Para uma carga de 100A (R7 2700X, 3800X) no VDDCR, a dissipação desse VRM deve ser de cerca de 11.6W, já para 150A (estimado para o R9 3950X ou R9 3900X com overclock) esse número é de cerca de 19.7W, esses valores são excelentes e ao menos teoricamente, com base nos valores apresentados nos datasheets, a eficiência desse design é bastante alta e mesmo com apenas 4 fases deve dar conta de qualquer CPU AM4 sem maiores problemas! Adiante veremos como ela se saiu na prática com o R7 2700X.

O VRM das memórias é de apenas uma fase, e novamente, utiliza os mesmos mosfets utilizados no VDDSOC com capacitores de 560uF 6.3V e um indutor R80 (0.8uH) na saída, o que é suficiente para a alimentação das memórias e parte do controlador de memória, cujo consumo é relativamente baixo.

Em relação a UEFI, por conta de limitação da capacidade das memórias Flash utilizadas pela MSI em boa parte das placas A320/B350/X370/B450/X470, para garantir o suporte aos CPUs de 3ª geração foi necessário adotar uma interface gráfica simplificada e fazer alguns workarounds para manter certos recursos, como por exemplo, a opção de salvar os perfis de bios com ajustes de overclock que agora salva um arquivo de “profile” em alguma unidade USB no lugar da memória flash.

Apesar disso, devo destacar que ao menos houve o cuidado por parte do fabricante em manter todos os ajustes de overclock (timings, ajustes de tensão, precision boost e afins) e demais recursos como controle dos fans e M-Flash disponíveis, ainda que para alguns desses, a interface simplificada torne o uso/ajuste um pouco mais complicado. Segue abaixo uma galeria com as capturas de tela da UEFI:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dos ajustes de tensão principais, o VDDCR (CPU Core Voltage) vai de 0.9V até 1.55V no modo “override” enquanto no “offset” permite até +300mV, o VDDSOC (CPU NB/SOC Voltage) vai de 0.9V até 1.3V no “override” enquanto o “offset” também é de no máximo +300mV e por fim, a tensão das memórias (DRAM Voltage) vai de 0.8V até 2V.

Caso alguém tenha interesse, segue o link para site do fabricante, onde consta as especificações do produto. Vamos então as configurações utilizadas e resultados!

Configurações utilizadas:

CPU: AMD Ryzen 5 3600 / AMD Ryzen 7 2700X (Obrigado AMD!)

MOBO: MSI X470 Gaming Plus (BIOS: 7B79vAE – Obrigado Terabyteshop!)

VGA: ASRock Radeon 5700XT Challenger

RAM: 2x8GB DDR4 G.Skill Flare X 3200CL14 / 2x8GB Crucial Ballistix LT 3200 CL16

REFRIGERAÇÃO: Watercooler custom e IC Graphite Thermal pad

STORAGE: SSD Crucial BX300 120GB

EQUIPAMENTOS EXTRAS: Termômetro digital HDT 6002.

Software utilizado: Windows 10 x64 build 1903, AIDA64 6.00.5134 Beta, TM5 0.12, HWiNFO 6.10.

Objetivo dos testes: O objetivo desse artigo é verificar o quão bem a MSI X470 Gaming Plus se sai naquilo que diz respeito a overclock de memória, testar a performance térmica da placa em condições de stress usando o Ryzen 7 2700X e Ryzen 5 3600.

Explicações acerca da metodologia adotada ou de como os testes foram conduzidos estão contidas nos textos que acompanham os resultados a seguir.

Resultados:

O primeiro passo aqui foi testar até onde a MSI X470 Gaming Plus conseguiu ir em termos de overclock de memória devido ao já conhecido impacto que isso trás no desempenho dos Ryzen. Para isso, optei por usar o Ryzen 5 3600 devido ao controlador de memória consideravelmente superior ao das gerações anteriores e dois kits de memória, um Samsung B-Die e o Micron E-Die. Devido ao fato dos Ryzen de terceira geração apresentarem melhor desempenho ao usar MCLK:FCLK:UCLK em 1:1:1, conforme já expliquei em mais detalhes nesse artigo, a meta aqui é verificar se essa placa-mãe da conta de chegar nos 3733MHz 1:1 com estabilidade, sendo essa um bom “objetivo” para uso diário.

Dessa forma, utilizei ajustes de subtimings manuais bastante parecidos com aqueles que apresentei nesse e nesse review e também utilizei o TM5 para atestar a estabilidade do overclock. Com o kit B-Die, foi necessário usar cerca de 1.5V na tensão das memórias para obter estabilidade @ 3733 16-16-16-16-36, enquanto que com as E-Die, 1.4V já resolveu para 16-18-18-18-39.

Apenas para constar, usando o R7 2700X consegui estabilidade usando as E-Die @ 3533 CL16, o que é um resultado bastante razoável e que inclusive pode ter margem para chegar nos 3600MHz com maiores ajustes. Uma observação que faço é que a X470 Gaming Plus não “gostou” muito de operar com Geardown Mode desativado e Command Rate em 1T, então, se você tiver uma placa desse modelo e estiver encontrando instabilidades no overclock da memória, se certifique que o Geardown Mode está ativado pois caso contrário, pode estar ai a razão das instabilidades. 😉

Para verificar a temperatura dos circuitos de alimentação, instalei um termopar com um thermal pad grudento na parte de trás da placa, logo atrás dos mosfets de alta devido ao fato de ali ser um “hot spot” por conta do ponto de solda, basicamente, algo muito parecido com o que o Buildzoid fez nesse vídeo.Lembrando que o delta entre a temperatura medida pelo termopar e a do mosfet não costuma ser maior do que 5ºC. O sensor #1 se refere ao termopar da foto na galeria abaixo, instalado entre a segunda e terceira fase do VRM do VDDCR.

Para obter os resultados abaixo, utilizei o stress test do AIDA64 em suas configurações padrão durante 15 minutos e após isso registrei as leituras do gráfico da galeria abaixo, que se refere ao delta de temperatura (delta = temperatura obtida no termopar – temperatura ambiente).

Como podemos ver, apesar do delta um tanto elevado, implicando em temperaturas acima de 90ºC para o VRM para um ambiente em 25ºC enquanto usando o R7 2700X (TDP 105W) com overclock, a MSI X470 Gaming Plus não apresentou throttling no CPU em momento algum, evidentemente que se for possível manter algum fluxo de ar extra (leia-se, adaptar um fan nos dissipadores) na região do VRM, melhor, pois a eficiência do conversor DC-DC é um pouco maior com temperaturas menores e isso também acaba por ter um pequeno impacto positivo na temperatura do CPU, que também rodará um pouco mais frio.

Já em relação ao R5 3600, sem surpresas no excelente resultado obtido aqui, afinal de contas, a corrente exigida por esse CPU em carga é relativamente baixa (pouco mais de 50A) e o mesmo não deve ser problema nem mesmo para as placas mais simples disponíveis no mercado.

Conclusão:

A MSI X470 Gaming Plus se mostrou uma placa-mãe bastante decente, entregando boa qualidade de construção, layout bem planejado e também suporte aceitável para CPUs com TDP de 105W, não tendo apresentado throttling apesar das temperaturas umtanto elevadas do VRM enquanto usando o R7 2700X com overclock, portanto, ressalto que é de bom tom manter algum fluxo de ar na região caso esteja utilizado um CPU em situação semelhante a apresentada aqui, apesar de não ser obrigatório nesse caso.

Dos pontos a se observar com mais atenção, é possível citar a UEFI, em que o fabricante foi obrigado a adotar uma interface simplificada para oferecer suporte aos Ryzen de 3ª geração por limitação da capacidade da memória flash, o que pode ser incomodo para alguns e também pelo fato do áudio e LAN integrados serem relativamente simples, com alguns concorrentes oferecendo mais nesse sentido.

Com relação ao Custo beneficio, o último preço praticado por essa placa nos nossos parceiros da Terabyteshop foi de R$799,53 (em 7/10/2019), o que faz dessa placa algo com melhor preço comparado até mesmo a placas B450 de outros fabricantes, só que oferecendo algo a mais do que eles naquilo que diz respeito ao suporte de CPUs com TDP de 105W, portanto, a não ser que esses “pontos a se observar” sejam um “deal breaker” para você, a MSI X470 Gaming Plus certamente é uma excelente opção para essa faixa de preço.

E por hoje é só! Dúvidas, críticas e sugestões são bem-vindas! Até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s