Reviews VGAs

[Review] 51RISC RX 6600M 8 GB – Boa placa ou uma aposta arriscada?

Nesse review irei analisar a 51RISC RX 6600M, que se trata daquela que provavelmente é a placa de vídeo mais "famosa" de 2022, sendo comercializada via AliExpress por várias marcas, onde a unidade testada é da "51RISC". O fato dessa placa usar uma GPU de notebook, o que combinado a promessa de entregar desempenho praticamente identico a RX 6600 convencional e o preço camarada, acabaram por fazer a sua fama ir longe e chegar até mesmo no Videocardz... Continue lendo!

Fala pessoal, beleza?

Nesse review irei analisar a 51RISC RX 6600M, que se trata daquela que provavelmente é a placa de vídeo mais “famosa” de 2022, sendo comercializada via AliExpress por várias marcas, onde a unidade testada é da “51RISC”. O fato dessa placa usar uma GPU de notebook, o que combinado a promessa de entregar desempenho praticamente identico a RX 6600 convencional e o preço camarada, acabaram por fazer a sua fama ir longe e chegar até mesmo no Videocardz!

Da embalagem, muito diferente do que se vê nos produtos das grandes marcas, onde a caixa possui clara caracterização a respeito do modelo que está ali dentro e diferenciações relativas ao marketing do fabricante, aqui, a 51RISC utiliza uma simples caixa de papelão genérica, onde a única identificação do conteúdo é o “Graphics Card” escrito na parte frontal. Internamente, a caixa é forrada com espuma e não acompanha nenhum acessório além da placa.

O cooler utilizado é uma unidade dual-slot com dois fans de 90 mm, onde a parte frontal do dissipador tem alguns detalhes imitando fibra de carbono, não existindo qualquer tipo de led ou iluminação RGB. O comprimento da placa é de aproximadamente 21 cm, o qual não deve ser problema em boa parte dos gabinetes modernos, incluindo os no padrão SFF (Small Form Factor). O TGP da 6600M é de 100W e ela utiliza apenas um conector de força de 8-pinos.

No espelho traseiro, a 51RISC optou por oferecer 3x Displayport e 1x HDMI, o que está dentro do esperado para uma placa moderna como essa.

Sobre a garantia, infelizmente, a 51RISC optou por incluir o “infame” lacre no parafuso da placa, o que é um ponto sensível caso alguém pretenda desmontar a placa para fazer a limpeza/manutenção ou montar um water block ainda dentro do prazo de garantia, a qual, segundo o anuncio é de 2 anos, porém, cabe lembrar que por se tratar de um produto importado, pode não ser tão simples assim recorrer a esse direito no caso de defeito, com custos com frete e sem garantia juridica.

A respeito do dissipador utilizado, o fabricante optou por um design usando dois heatpipes de contato direto com a GPU, onde essa base também faz a dissipação de calor das memórias, cujo contato é feito usando “thermal pads”. Sobre o “backplate”, ele é de plástico e portanto, tem apenas função estética e de dar maior rigidez a placa.

Sobre o PCB, como foi dito anteriormente, ele é bastante compacto e na parte da frente é possível ver a GPU Navi 23 com os quatro chips de memória GDDR6, o VRM de 6 fases para a GPU, uma fase para as memórias e o conector de força.

Cabe lembrar que esse PCB é bastante similar ao utilizado por outros fabricantes, como a Powercolor, cujo design é em partes bastante similar ao adotado pela 51RISC nessa placa.

A respeito da GPU Navi 23, ele é fabricado pela TSMC em 7 nm, possuindo pouco mais de 11 bilhões de transistores em uma área de 237 mm². A GPU utilizada nesse exemplar foi fabricada na 27ª semana de 2021, o que é de certo modo inesperado para uma placa de vídeo que foi comprada em 2022, o que sugere que o fabricante tinha uma pilha de componentes de estoque antigo ou simplesmente que estamos diante de peças usadas que foram reaproveitadas nessas placas.

Apenas fazendo uma inspeção visual, não foi possível tirar nenhuma conclusão a respeito dessa GPU já ter sido usada, afinal, a sua coloração parece normal em relação ao que se vê nas GPUs Navi 23 e não existem outras evidencias que apontem para o uso de componentes usados aqui, de todo modo, segundo o vendedor, esses chips são de fato novos e foram utilizados nessas placas de desktop por conta da demanda para notebooks ter sido menor que o esperado.

Os chips de memória GDDR6 são os Samsung K4ZAF325BM-HC14 de 14 Gbps e densidade de 16 Gb, onde aqui, foram utilizados quatro desses chips em um barramento de 128-bits perfazendo um total de 8 GB de memória.

Em termos funcionais, a variante “mobile” do Navi 23 que é utilizado nessa placa é basicamente identica ao Navi 23 da RX 6600 “comum”, ou seja, ela conta com 28 CUs, o que se traduz em 1792 SPs,112 TMUs, 64 ROPs, 28 RT Cores e 32 MB de Infinity Cache.

Sobre o VRM da placa, são 5+1 fases para a GPU, onde foi adotado o controlador IR35217 e a respeito do estágio de potência, a 51RISC optou por utilizar powerstages Alpha & Omega AOZ5311NQ, cuja corrente máxima suportada é de 55A e considerando uma frequência de chaveamento de 300KHz e tensão de saída de 1V, para uma corrente de 95A (GPU completamente em stock) a dissipação térmica do VRM deve ficar na casa dos 9W, para 115A (Overclock) em 11W, o que definitivamente é bastante tranquilo e muito provavelmente, deve dispensar até mesmo o uso de um dissipador. EDIT 23/11 14:46 – Revisando alguns valores para esse VRM, sem alterações na conclusão.

No estágio de filtragem, foram utilizados vários capacitores de polímero de alumínio de 1200uF montados na parte da frente com capacitores cerâmicos na parte de trás da GPU. Os indutores utilizados nos estágios de alimentação da GPU são de 0.15uH.

Feitas as apresentações, vamos às configurações utilizadas e aos resultados!

Configurações utilizadas:

CPU: Ryzen 7 5800X

MOBO: MSI MEG B550 Unify-X

RAM: 2x16GB G.Skill Trident Z Neo 3600CL16

VGA: 51Risc RX 6600M

STORAGE: SSD Netac N530S 240 GB + Kingston UV500 960 GB

PSU: Antec Neo Eco 520W

SOFTWARE: Windows 11 (Adrenalin 22.9.2), GPU-Z 2.47.0, 3DMark, Blender 3.1.2, Unigine Superposition, Shadow of Tomb Raider, Cyberpunk 2077 v1.6

EQUIPAMENTOS EXTRAS: FLIR One LT e termometro GM1312.

Objetivo dos testes:

Avaliar como a 51RISC RX 6600M 8GB se sai com a solução de refrigeração padrão, desempenho em alguns jogos e por fim, seus resultados em benchmarks competitivos. Explicações acerca da metodologia adotada ou de como os testes foram conduzidos estão contidas nos textos que acompanham os resultados a seguir.

Observações:

Ocorreram problemas de compatibilidade desse placa com o i9 12900K + Maximus Z690 Apex, com crashes em qualquer teste 3D um pouco mais pesado, algo que ocorreu independente da versão do driver utilizado, ReBAR ativado ou não e PCI-E 4.0 ou com rollback para 3.0. Curiosamente, nenhum desses problemas se manifestaram na plataforma AM4, onde foram testadas duas placas-mãe diferentes (TUF X570-Gaming e a MSI B550 desse review) e diversas CPU como R7 2700X, R5 5600X e 5800X, funcionando com 100% de estabilidade em todos esses casos.

Os drivers utilizados nas GPUs de notebook da AMD são os mesmos das variantes de desktop, bastando baixar o pacote correspondente no site do fabricante e instalar normalmente.

Resultados:

Primeiramente, vamos ver como o sistema de refrigeração da 51RISC se sai. Para fazer todos esses testes, foi utilizado o Unigine Superposition no preset “4K Optimized”, que é um benchmark suficientemente longo (cerca de 3 minutos de duração) e que simula bem uma carga de “uso real” do GPU, em outras palavras, não é um “power virus” como o Furmark que estressa a VGA a níveis irreais e normalmente faz a placa entrar em throttling por comando do ‘driver’. Para esses resultados, o ‘driver’ foi mantido nas configurações padrão e o R7 5800X estava rodando em stock com as memórias na configuração padrão XMP (3600 CL16).

Temperatura/FLIR:

No gráfico abaixo, temos os resultados obtidos para diferentes configurações de clock e rotação do fan, onde a temperatura ambiente no dia dos testes foi de 21.3ºC sendo essa informação de suma importância para a interpretação dos resultados e mesmo para quem quiser ter uma ideia dos deltas.

Os testes foram conduzidos com a placa completamente em stock, stock com FAN @ 100% e PL +20%, que é o máximo permitido para essa placa, overclock com FAN @ 50% e 100%, onde os 50% foram escolhidos por conta do nível de ruído ainda ser bem aceitável para uso diário com esse parâmetro.

Também é importante ressaltar que esses testes aqui foram todos conduzidos em bancada e que a temperatura “ambiente” dentro de um gabinete tende a ser maior que a temperatura ambiente de fato, o que é um detalhe importante caso alguém venha a tentar reproduzir os resultados aqui apresentados.

Dos resultados mostrados acima, é possível verificar que a solução de refrigeração original da placa foi capaz de entregar desempenho excepcional em qualquer uma das situações testadas, apresentando no pior cenário 60 °C para a GPU e 76 °C para o Hot Spot, o que implica que mesmo com uma temperatura ambiente de 30 ºC, a temperatura da GPU ainda permaneceria abaixo dos 80ºC, um resultado excelente.

Para validar a temperatura das memórias e VRM, foi utilizado a FLIR One LT e como é de praxe, foram registradas as temperaturas na parte de trás do PCB, onde para se fazer isso, foi removido o backplate da placa. Em ambos os casos, as imagens foram capturadas no último loop do Unigine Superposition 4K com a placa em stock e depois com FAN @ 50% e overclock. A temperatura ambiente no momento desses testes foi de 22°C.

Com a placa trabalhando nessas condições, foi verificado uma máxima de 60.9 °C para o VRM e 56.9 °C para as memórias, o que, novamente, são resultados excelentes e que definitivamente não representam problemas a longo prazo para os componentes utilizados.

Temperatura/Frequência:

Na galeria abaixo, é possível verificar comportamento detalhado da placa em termos dos clocks e temperaturas ao longo do benchmark:

A 51RISC RX 6600M apresentou razoável estabilidade na frequência de operação ao longo dos testes, com as maiores oscilações aparecendo com a placa em stock e sumindo ao se aumentar o “Power Limit” em 20%, o que implica que o TGP de apenas 100W pode acabar limitando um pouco as frequências da GPU em alguns casos.

Benchmarks:

Sobre os benchmarks, foram escolhidos o Blender, Cyberpunk 2077, Shadow of the Tomb Raider (SOTTR) e o Unigine Superposition 4K, ou seja, uma aplicação profissional, dois jogos com suporte as ultimas tecnologias e um benchmark sintético.

  • No Blender, foi utilizado o demo do BMW, onde apenas como referencia, foi incluso um resultado do i9 12900K em stock e foi utilizado HIP para a renderização usando a 6600M.
  • No Cyberpunk 2077, foi utilizada a versão 1.6 do jogo, rodando em 1080p com o preset “High” com os testes em RT ativando todas as opções relativas ao efeito com as luzes no médio. Para obtenção desses números, foi utilizada a ferramenta de benchmark que recentemente foi incluida no jogo.
  • Para o SOTTR, foi utilizada a ferramenta de benchmark inclusa, em 1080p + preset “High” + TAA, com testes com Ray Tracing usando configuração no “alto”.

Resultados:

Sobre o desempenho apresentado, a RX 6600M apresentou números bastante decentes em rasterização, porém, sentindo o baque ao ativar o “Ray Tracing”, onde nenhum desses títulos possui suporte ao FSR, que seria de grande ajuda nessas horas.

Por curiosidade, recentemente, a Intel liberou o XeSS, que seria a sua alternativa ao DLSS da NVIDIA, onde diferente desse último, pode ser usado em qualquer GPU com suporte a DP4a e por já ter sido incluido no SOTTR, foi testado o seu desempenho na RX 6600M, onde apesar de não ter notado maiores artefatos ou perda na qualidade de imagem, o seu desempenho no modo “Quality” acabou sendo um pouco inferior a aquele apresentado com o recurso desativado.

A respeito dos ganhos com overclock, mal chegaram aos 5%, o que é algo bem pequeno e no máximo, deve compensar a suposta diferença de 3% em relação a RX 6600 comum.

Benchmarks competitivos:

E por fim, sobre os resultados obtidos nos benchmarks competitivos, usando o sistema de refrigeração padrão e sem nenhuma modificação física na placa, foi possível obter resultados bastante razoáveis, mesmo se comparados com a RX 6600 comum, afinal, não existe uma categoria para a 6600M no HWBOT.

Cabe lembrar que apesar de em tese essa placa permitir alterar a frequência da memória, ao faze-lo, a frequência da GPU fica travada em algo próximo dos 500 MHz, ou seja, os únicos ajustes possíveis aqui são do Power Limit, que pode ir além dos 20% com MPT, rotação das fans, timings de memória “rápidos” e frequência da GPU em até 2720 MHz.

Conclusão:

Diante do apresentado, foi possível chegar nos seguintes pontos:

A 51RISC RX 6600M acabou se saindo muito bem no que diz respeito as temperaturas da GPU, no caso, em stock com o fan na configuração automática, a temperatura da GPU ficou nos 60 °C enquanto o Hot Spot não excedeu os 76 °C, se saindo ainda melhor com overclock e fan travado nos 50%. Cabe observar que a placa em stock costuma ficar com a rotação do fan abaixo dos 50%, sendo um tanto quanto ruídosa acima desse patamar.

No que diz respeito a temperatura do VRM e memórias, novamente, os bons resultados se repetiram, com o VRM batendo pico de 60.9 ºC e memórias ficando nos 59,6 ºC, o que é excelente.

Sobre os componentes utilizados no VRM, a 51RISC optou por utilizar modernas “powerstages” fornecidas pela Alpha & Omega, que por serem componentes altamente integrados, apresentam maior eficiência em relação ao que um arranjo utilizando mosfets discretos normalmente consegue, no caso, às seis fases se mostraram mais do que suficientes para uso da placa em stock ou overclock.

Da compatibilidade, houveram alguns problemas ao tentar utiliza-la junto ao i9 12900K e a Maximus Z690 Apex, algo que não ocorreu com a plataforma AM4, com diferentes placas-mãe e processadores. Por já ter visto várias pessoas com máquinas baseadas no socket LGA1700 usando a RX 6600M sem maiores inconvenientes, tudo sugere que isso não seja algo generalizado, porém, fica aqui o relato.

A respeito do desempenho, a RX 6600M apresentou desempenho interessante em rasterização, sofrendo ao se ativar o Ray Tracing, especialmente por conta dos jogos testados não possuirem suporte nativo a tecnologias como o FSR, o que em tese, poderia ajudar bastante no desempenho nessa situação.

Os ganhos com overclock foram bastante pequenos, geralmente ficando abaixo dos 5%, o que talvez seja suficiente apenas para compensar a diferença em relação a RX 6600 comum.

Nos benchmarks competitivos, a RX 6600M não fez feio mesmo comparado a versão “normal” para desktop, onde caso os resultados fossem enviados no ranking da RX 6600, ficariam todos entre 3º e 5º lugar. Apesar disso, essa placa possui uma série de limitações nos ajustes possíveis, por exemplo, o Power Limit em 20% (expansível usando MPT), rotação das fans, timings de memória “rápidos” e frequência da GPU em até 2720 MHz.

A respeito do preço, a 51RISC RX 6600M pode ser encontrada no AliExpress por cerca de 200 USD, ou cerca de R$1100, o que é um preço excelente diante da qualidade e desempenho apresentados, porém, é necessário ressaltar que por se tratar de um produto importado, o valor final pode ser maior por conta da incidência de impostos e taxas adicionais. Outro ponto sensível é a garantia, que ao menos no papel é de 2 anos, porém, na prática, pode não ser tão simples assim de ser acionada, de forma que é melhor nem contar com isso.

Por fim e não menos importante, existem diversas marcas oferecendo modelos identicos a essa RX 6600M, enquanto a própria 51RISC agora está com um outro modelo diferente do testado, então, fiquem atentos na hora de fechar negócio, afinal, não se sabe exatamente quais mudanças que foram feitas nessa nova variante da 6600M.

EDIT: Caso tenha interesse em descobrir o que mudou na nova revisão, segue o link:

https://theoverclockingpage.com/2022/11/02/nova-revisao-da-rx-6600m-uma-aula-sobre-como-transformar-um-sucesso-em-fracasso/

Gostou desse artigo? Ele lhe foi útil? Considere contribuir com o crowdfunding ou doação para que seja possível continuar trazendo novos conteúdos aqui na The Overclocking Page!

13 comentários

  1. Ótimo review. O aumento de over no core realmente é bem pequeno. Testei aqui mesmo, e acaba não valendo muito a pena. Só achei zoado que, por alguma razão, essas placas vem bios locked pra over em memos, que provavelmente faria mais sentido, devido à baixa banda de memória. Não sei você tentou, mas ao subir 1mhz acima dos 1740 stock, o core vai pra 300 e só sobe após resetar o driver de vídeo. Uma pena.

    Enfim, vai ser minha recomendação daqui pra frente pra quem tem dúvdas sobre a construção e componentes. Espero que consiga outros modelos do ali pra testes, especialmente os mais parrudinhos. Até.

    Curtir

  2. Baita review, era o que eu precisava saber sobre este modelo! Giancarlo, tendo em vista que a configuração do chip é a mesma de qualquer outra RX 6600, saberia dizer se é possível “flashar” a bios de outra marca para usar frequências mais altas nas memórias?

    Curtir

  3. Já tinha visto outros modelos frankstein desse tipo com chip mobile nvidia mas que funcionavam apenas com drivers específicos. Eram voltadas para mineração e pareciam ser um ótimo CxB na área, felizmente essa AMD parece ter uma compatibilidade mais abrangente.

    Curtir

  4. Boa noite Giancarlo, obrigado pelo review.

    Há alguma possibilidade fazer biosmod nessa placa para alterar os limites de clock de memória, tensão e power limit? Eu estou com uma aqui e pelo que percebi essas limitações são via driver e teoricamente há uma margem para oc, mas essa limitação acaba impossibilitando…

    Curtir

  5. Oi tudo bem, a minha chegou hoje e esta funcionado bem, contudo o único problema e que quando ela liga as fans e sempre 100%, horrível e faz muito barulho, aparentemente ela não tem controle eficiente, para ligar as fans na rotação necessária e não sempre 100%, ainda não achei uma maneira de regular, aguardo ajuda, Obrigado

    Curtir

  6. Recebi a minha a mais de 1 mes e estou com um problema desde a primeira vez que liguei ela, se a placa fica em standby o pc simplismente congela, pra ele não crashar em atividades que não exijam a placa de video eu tive que deixar ela rodando um video de fundo. Pelo que deu pra perceber durante alguns testes, é que essa congelamento ocorre quando a vram esta com baixa frequencia, utiliznado diversas versões de drivers e nada corrigiu.

    Curtir

  7. Salve, sabe informar a espessura dos thermal pads? A minha veio com eles rachados e gostaria de trocar por outros de melhor qualidade. (li o review todo e gostei bastante da temperatura dela nos vrm e memorias, show demais!)

    Curtir

  8. Eu comprei a da Soyo, e veio na “2ª geração” (sem o heatpipe). Ela não liga quando conectada no slot x16. No slot x4 ela ligou, mas rodou em x2 (fez 58 de fps no CSGO). Fui olhar nas trilhas acima do barramento, tinha um micro capacitor SMD torto, que na verdade estava solto. Consegui guardar ele e amanhã vou levar numa loja que conserta note pra ver se o cara consegue ressoldar, pois acho que o problema era “só” esse. Detalhe, se pecisarem do Aliexpress pra fazer a devolução e reembolso, vão ficar a ver navios, você tem que se virar pra mandar o negócio de volta pra China e rezar para o vendedor ser bonzinho com você.

    Curtir

  9. Gostei muito do review. Comprei uma rx 6600m desta mesma marca e gostaria de saber a expessura dos thermal pads. A espessura dos thermal pads das memórias sao da mesma espessura dos VRM?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: